Chávez ainda enfrenta dificuldades respiratórias, diz governo

Por meio de comunicado o Ministério da Informação disse que Chávez sofreu grave infecção pulmonar e está se adaptanto a um tratamento.

Comentar
Compartilhar
08 JAN 201315h48

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, ainda enfrenta dificuldades respiratórias quase um mês depois de ter passado por uma cirurgia para a remoção de um câncer, em Cuba, informaram nesta terça (8) autoridades venezuelanas.

Em comunicado divulgado na segunda (7) à noite, o Ministério da Informação da Venezuela disse que Chávez, que sofreu uma grave infecção pulmonar após a cirurgia de 11 de dezembro, está se adaptando a um tratamento que "está sendo administrado constantemente e com rigor".

O anúncio foi feito em meio a rumores de que os problemas de saúde de Chávez podem encerrar seu domínio na Venezuela e abrir um novo capítulo numa revolução socialista que, ao longo de 14 anos, redesenhou a realidade política do país e ampliou fortemente o papel do Estado na economia.

A oposição venezuelana alega que o governo não está sendo franco no que diz respeito ao verdadeiro estado de saúde de Chávez, lembrando que o tipo exato de câncer que o aflige nunca foi divulgado e que detalhes não confirmados sobre a situação do presidente venezuelano saíram na imprensa estrangeira e redes sociais.

Chávez foi submetido a uma cirurgia para a retirada de um tumor maligno na região pélvica, no último dia 11. (Foto: Divulgação)

Na segunda, Diego Padrón, líder da conferência de bispos católicos da Venezuela, disse que o comportamento sigiloso do governo "não favorece em nada a tranquilidade no país". Caracas orientou a população a não dar atenção a "mensagens de guerra psicológica" transmitidas do exterior.

Chávez, que foi reeleito para um quarto mandato presidencial em outubro, deveria tomar posse para liderar por mais seis anos na próxima quinta-feira (10), mas permanece em Cuba e não é visto em público desde que se submeteu à cirurgia.

O vice-presidente Nicolás Maduro, indicado pelo próprio líder venezuelano para sucedê-lo caso não consiga se recuperar, afirmou recentemente que a cerimônia de posse é apenas uma formalidade e que Chávez continuará sendo presidente, mas a oposição afirma que isso contraria a Constituição.

O governo, no entanto, pretende reunir partidários de Chávez em frente ao palácio presidencial na quinta e, segundo a imprensa, o presidente do Uruguai, Pepe Mujica, e o ministro das Relações Exteriores, Ricardo Patino, vão comparecer ao ato. A agência oficial de notícias venezuelana informou ainda que a presidente argentina, Cristina Kirchner, uma fiel aliada de Chávez, vai visitar o presidente enfermo em Cuba no final da semana. As informações são da Dow Jones.