X
Política

Candidato que defender reformas vai cravar acerto do governo, diz Temer

O presidente afirmou que foi acertada a tese do governo de defender as reformas no país e disse que enfrentou uma oposição feroz dos partidos de oposição

Michel Temer afirmou nesta segunda-feira (18) que qualquer candidato à sucessão presidencial que apoiar as atuas reformas estruturais terá cravado a gestão peemedebista em sua campanha eleitoral / Lula Marques/AGPT

Em um recado a Rodrigo Maia, o presidente Michel Temer afirmou nesta segunda-feira (18) que qualquer candidato à sucessão presidencial que apoiar as atuas reformas estruturais terá cravado a gestão peemedebista em sua campanha eleitoral.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, publicada no domingo (17), o presidente da Câmara disse que a base aliada não precisa de um candidato ao Palácio do Planalto que faça uma tatuagem "eu sou Michel Temer" na testa. Segundo ele, o nome da continuidade precisa apenas ter uma agenda de reformas.

No discurso em evento da Fundação Ulysses Guimarães, entidade peemedebista, o presidente afirmou que foi acertada a tese do governo de defender as reformas no país e disse que enfrentou uma oposição feroz dos partidos de oposição.

"Quem for candidato a presidente e dizer que vai continuar ou que terá um governo também de reformas, estará cravando na sua campanha eleitoral a tese do acerto do nosso governo. E estará gravado governo Michel Temer no programa que vai ser estabelecido para o futuro por nós, que ousamos fazer uma revolução na política administrativa e econômica do nosso país", disse.

A declaração de Maia causou mal-estar no Palácio do Planalto e foi interpretada como uma tentativa do parlamentar de se distanciar publicamente do governo peemedebista, que apresenta baixos índices de aprovação popular.

No evento, o presidente nacional do PMDB, Romero Jucá, também adotou a mesma linha de Temer. Segundo ele, o candidato da base aliada terá de ter um compromisso com o legado do atual governo.

"Se não tiver [compromisso], estará jogando fora a eleição e partindo sozinho, porque estaremos defendo o nosso legado na discussão eleitoral do próximo ano", disse.

No discurso, Temer disse ainda que não desistiu da reforma previdenciária, porque é o tema do momento. "É um tema que estamos enfrentando e que vamos levar adiante", disse.

Por falta de votos, a proposta ficou para fevereiro, o que aumentou o pessimismo no mercado financeiro sobre a sua aprovação, já que se tratará de um ano eleitoral.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

São Vicente

Fundo Social promove primeiro Dia de Doar do ano nesta sexta (28)

Munícipes devem retirar as peças na sede da FSS de São Vicente

São Vicente

Justiça suspende venda do Golf Clube vicentino a pedido do MP

Juiz suspendeu assembleia do patrimônio tombado que aguardava apenas decreto regularizando decisão de Conselho

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software