Candidato a deputado, Júnior Bozzella passa cheque sem fundo

Falta de pagamento de cabos eleitorais do vereador do PSDB repercurtiu na internet ontem

Comentar
Compartilhar
10 OUT 201410h47

O vereador vicentino Júnior Bozzella (PSDB), candidato a deputado estadual na última eleição, foi alvo de ataques nas redes sociais da internet devido a devolução de cheques de sua campanha. O assessor de imprensa do parlamentar, Rogério Jardim, confirmou que houve problemas com alguns pagamentos e classificou o episódio como ‘boatos de pessoas mal intencionadas’.

“Não procede a informação publicada na internet. Tivemos de quatro a cinco cheques devolvidos, e não cinquenta como informaram. Todos já foram pagos. O vereador está sendo alvo de boatos maldosos de fakes (perfil falso)”, disse Jardim. De acordo com o assessor de imprensa, o parlamentar não compareceu a sessão da Câmara Municipal ontem, pois estaria participando de uma reunião de campanha do candidato à presidência Aécio Neves (PSDB), a qual o vereador irá coordenar na Cidade.

Cheques foram devolvidos devido a um gasto não previsionado na campanha (Foto: Divulgação)

Segundo Jardim, a devolução dos cheques ocorreu, pois houve um gasto não provisionado na campanha. “No decorrer da eleição tivemos que repor muito material, que também teve o seu custo elevado, o que é normal. O pagamento desses cheques foi efetuado hoje e veio de uma doação que já estava prevista, e que poderá ser conferida na prestação de contas”, afirma.

O Diário do Litoral recebeu a cópia de um dos cheques devolvidos. A ordem de pagamento do Banco do Brasil, em nome de ‘Eleição 2014 Nicolino Bozzella Deputado Estadual’, tinha a data de 04 de outubro, dia que antecedeu a eleição, e valor de R$ 458,47. A devolução ocorreu na última quarta-feira, dia 8.

júnior bozzella teve mais de 49 mil votos, mas não foi eleito deputado estadual (Foto: Divulgação)

Eleições 2014

Junior Bozzella concorreu pela primeira vez a um cargo na Assembleia Legislativa, tendo 49.544 votos. O vereador vicentino não foi eleito, e deve prosseguir com seu mandato na Câmara Municipal até 2016.
 

Colunas

Contraponto