Câmara aprova hoje R$ 17 milhões para a CET-Santos

Projeto que garante convênio para a gestão de trânsito municipal foi aprovado nesta quinta (13) e volta a discussão nesta sexta (14).

Comentar
Compartilhar
14 DEZ 201211h20

O prefeito eleito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), tem quase garantido um repasse de R$ 17 milhões da própria Prefeitura para a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) de Santos. Projeto nesse sentido e que garante o convênio para a gestão do trânsito municipal foi aprovado nesta quinta-feira (13) em primeira discussão na Câmara e volta à pauta nesta sexta-feira (14) na sessão extraordinária marcada para as 15 horas. A matéria passou com nove votos favoráveis, três contrários  e uma abstenção.

Votaram a favor: Antônio Carlos Banha Joaquim (PMDB), Arlindo Barros (PSDB), Braz Antunes (PPS), Geonísio Pereira de Aguiar, o Boquinha (PMDB), José Lascane (PSDB), Marcelo Del Bosco (PPS), Roberto Oliveira Teixeira, o Pastor Roberto (PMDB), Sadao Nakai (PSDB) e Mauro Mandira (PR). Os votos contrários vieram da bancada do PT (Adilson Júnior, Cassandra Maroni e Reinaldo Martins) e de Benedito Furtado (PSB). Quem se absteve de votar foi Fábio Alexandre Nunes, o Professor Fabião (PSB).
 
Dos R$ 17 milhões a serem repassados, R$ 7,5 milhões serão destinados para o gerenciamento e fiscalização de trânsito, R$ 3 milhões vão para planejamento e fiscalização de projetos de transporte, R$ 5,5 milhões para projetos e obras de modernização da sinalização semafórica e R$ 1 milhão para projetos de educação no trânsito.
 
A matéria volta à pauta hoje para votação final, às 15 horas. (Foto: Luiz Torres/ DL)
 
Rajada de críticas
 
A aprovação, que tende a ser confirmada hoje, veio debaixo de uma chuva de críticas, não só da bancada de oposição. Cassandra Maroni (PT) criticou a “falta de transparência” da empresa e lembrou que a CET vem recebendo pareceres contrários do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Benedito Furtado chamou o presidente da empresa, Rogério Crantschaninov, de “presidente amorfo”.
 
O vereador Adilson Júnior (PT) lembrou que a empresa foi alvo de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) que apurou o sumiço de carros no pátio, que era controlado por uma empresa terceirizada.
 
Despedidas
 
Vereadores não reeleitos ou que não concorreram à reeleição começaram a se despedir dos colegas já na sessão desta quinta.