'Bolsonaro tem desvio grave de personalidade', disse relatório do STM

Trechos inéditos do julgamento do então capitão do Exército, Jair Messias Bolsonaro, liberados pelo Superior Tribunal Militar (STM), traçaram um perfil, à época, do agora presidenciável.

Comentar
Compartilhar
01 ABR 2018Por Estadão Conteúdo19h02
Bolsonaro concorre à presidência agora em 2018.Foto: Aílton de Freitas/Fotos Públicas

Áudios inéditos do Superior Tribunal Militar (STM), solicitados pelo jornal Estado de S.Paulo, mostram a íntegra de um julgamento de trinta anos atrás: o do então capitão do Exército Jair Messias Bolsonaro, à época com 33 anos, hoje com 63 e bem cotado presidenciável da extrema-direita. 

Entre 1987 e 1988, Bolsonaro foi julgado duas vezes sob a acusação de "ter tido conduta irregular e praticado atos que afetam a honra pessoal, o pundonor militar e o decoro da classe". Na primeira instância, em janeiro de 1988, foi considerado culpado pela unanimidade dos três julgadores, todos oficiais militares. Na última - o STM, em sessão secreta de 16 de junho de 1988, integralmente gravada - Bolsonaro foi considerado não culpado por a 9 a 4.

O julgamento do STM foi a última etapa do longo e momentoso caso de rebeldia militar ocorrido durante a presidência de José Sarney - a primeira depois da ditadura - e o desenrolar do segundo ano da Constituinte. O maior derrotado pela absolvição do capitão Bolsonaro foi o general Leônidas Pires Gonçalves, ministro do Exército de Sarney, que avalizara publicamente a decisão da primeira instância, depois reformada.

Um novo laudo da Polícia Federal cravou a culpa do acusado: "Não restam dúvidas ao ser afirmado que os manuscritos promanaram do punho gráfico do capitão Jair Messias Bolsonaro". Logo depois, a pedido do conselho, um quarto exame grafotécnico dos peritos do Exército que fizeram o primeiro laudo não acusatório, acrescentou um "complemento" contrário, afirmando que os caracteres "promanaram de um mesmo punho gráfico". Quatro exames grafotécnicos, portanto, empatando em 2 a 2.

Em 25 de janeiro, Bolsonaro foi condenado pela unanimidade do conselho com um libelo duro em que se registra "desvio grave de personalidade e uma deformação profissional", "falta de coragem moral para sair do Exército" e "ter mentido ao longo de todo o processo".

*As informações são de reportagem de Luiz Kaklouf no jornal O Estado de S. Paulo.