X

Política

Bolsonaro quer cerimônia mais curta e ato religioso inédito no dia da posse

Assessores afirmam que o esquema de segurança e o tempo de duração do evento são hoje as principais preocupações da equipe

Folhapress

Publicado em 21/11/2018 às 16:20

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Jair Bolsonaro (PSL) quer uma cerimônia mais curta e um ato ecumênico na Catedral de Brasília / Divulgação/Fotos Públicas

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), quer uma cerimônia mais curta e um ato ecumênico inédito na Catedral de Brasília para celebrar sua posse em 1º de janeiro de 2019.

Assessores de Bolsonaro afirmam que o esquema de segurança e o tempo de duração do evento são hoje as principais preocupações da equipe. Isso porque Bolsonaro terá passado por uma cirurgia 20 dias antes para retirar a bolsa de colostomia que tem usado desde setembro, quando sofreu um atentado a faca, e deverá estar mais vulnerável.

Integrantes do cerimonial do Congresso, porém, dizem que o protocolo deve ser mantido e que, se quiser reduzir a extensão da cerimônia de posse, vai precisar fazer um discurso mais curto -Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT), por exemplo, falaram por cerca de meia hora quando foram empossados, enquanto Michel Temer (MDB) preferiu o silêncio na sua vez de assinar o livro de presidentes da República.

Bolsonaro pediu que um culto ecumênico fosse realizado na manhã do primeiro dia do ano -ele é católico e sua mulher, Michelle, evangélica-, uma novidade para o evento. Em 1995, quando Fernando Henrique Cardoso (PSDB) chegou ao Planalto, houve uma missa católica na catedral.

Deputada eleita pelo PSL, Joice Hasselmann (SP) quer fazer uma surpresa com a primeira-dama durante a cerimônia de posse, mas a formalidade do roteiro no Congresso e no Planalto deve restringir improvisos.

"Vou me reunir com Michelle nesta semana para ver se será possível fazer, mas ainda não posso falar o que é", afirmou Joice. As duas vão se encontrar nesta quarta-feira (21), em Brasília. A deputada já participou, na segunda-feira (19), de uma reunião sobre a posse no gabinete de transição, com representantes da Câmara, do Senado e da Presidência.

Depois do ato na Catedral, Bolsonaro e Michelle seguirão para o Palácio do Itamaraty, onde será servido um almoço para as delegações internacionais. Autoridades de todos os países com embaixada no Brasil serão convidadas até o início da próxima semana.

A expectativa de aliados do capitão reformado é que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, compareça. Bolsonaro é admirador do americano e tenta replicar a postura do republicano no uso das redes sociais, fazendo anúncios importantes e ataques à imprensa via Twitter, por exemplo.

Pouco antes das 15h, após o almoço no Itamaraty, Bolsonaro seguirá para o Congresso. A dúvida de sua equipe de segurança é sobre ir ou não em carro aberto -o Rolls-Royce Silver Wraith, de 1952.

A visita ao Congresso estava inicialmente marcada para as 17h. Na semana passada, um email oficial do gabinete de Bolsonaro na Câmara chegou para Ilana Trombka, diretora-geral do Senado. Para a surpresa dela, o texto era em primeira pessoa, assinado pelo próprio presidente eleito, pedindo que a cerimônia fosse antecipada em duas horas por recomendação de seu ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno.

Diante do gesto inusitado, o Senado procurou o gabinete de Bolsonaro. Sua assessoria confirmou ter enviado o email, mas informou que, na verdade, a mensagem havia sido escrita por um assessor. A assessoria do presidente eleito foi informada então de que caberia a Bolsonaro tratar do assunto diretamente com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE).

A proteção do presidente neste dia é de responsabilidade do Exército e da Polícia Federal. Os policiais são responsáveis pela chamada segurança próxima, com profissionais que ficarão ao lado de Bolsonaro, enquanto os militares ficam encarregados do esquema de segurança da área.

Na rampa do Congresso, os presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e Eunício vão receber o presidente eleito, que será empossado no plenário da Câmara após o Hino Nacional e um discurso do presidente do Senado, que deve durar oito minutos.

Depois de assinar o livro de posse -é o mesmo desde Deodoro da Fonseca-, Bolsonaro é empossado, passa a tropa em revista e segue ao Planalto para receber a faixa de Temer.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Nacional

Lula assina lei que regulamenta motoristas de aplicativo

Os motoristas vão passar a receber pelo menos um salário mínimo como proporção pelas horas trabalhadas e compensação pelos custos de atividade

Polícia

Atropelamento em Guarujá deixa três feridos e dois ficam em estado grave

O incidente ocorreu por volta das 23h40 e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência foi acionado

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter