X
Política

Bolsonaro diz que foi obrigado a vetar projeto para distribuição de absorventes

Segundo o presidente, não havia na proposta aprovada no Congresso a fonte de custeio para o programa e, caso a sancionasse, poderia ser enquadrado por crime de responsabilidade

Aos apoiadores, Bolsonaro afirmou que a proposta apresentada é / Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Depois de uma série de críticas, o presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje, a apoiadores, que foi obrigado a vetar o projeto de lei que garantia a distribuição gratuita de absorventes para mulheres de baixa renda no País. "Eu não tenho alternativa, sou obrigado a vetar", justificou. Com o mesmo discurso utilizado no Diário Oficial da União (DOU), Bolsonaro sustentou que não havia na proposta aprovada no Congresso a fonte de custeio para o programa e, caso a sancionasse, poderia ser enquadrado por crime de responsabilidade.

"Quando parlamentar vota alguma coisa qualquer, votando sim ou não, tem problema nenhum para ele. Eu não posso vetar ou sancionar o que vem na minha cabeça e quando qualquer projeto cria despesa, o parlamentar sabe que tem de apresentar a fonte de custeio", disse. "Quando não apresenta, se eu sanciono, estou incurso no artigo 85 da Constituição, crime de responsabilidade".

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Aos apoiadores, Bolsonaro afirmou que a proposta apresentada é "de um deputado do PT". Mas o projeto de lei 4968/2019 que prevê a criação do Programa de Fornecimento de Absorventes Higiênicos, transformado em lei no Congresso, é de autoria de um grupo de parlamentares do Partido dos Trabalhadores, encabeçado pela deputada federal Marília Arraes (PT-PE).

O presidente ironizou os cálculos de que o custo para o programa seria de R$ 80 milhões por ano com absorventes e comparou o projeto ao reajuste do salário mínimo. "Dá R$ 7 milhões por mês. Cada mulher teria oito absorventes por mês e, se fizer as contas, ele (sic) diz que custaria R$ 0,01 pra distribuir. Eu perguntei para ele (sic). E a logística para distribuir para o Brasil todo?", explicou. "Ele (sic) poderia aprovar projeto passando para R$ 10 mil o salário mínimo e estaria resolvido o problema do Brasil. É irresponsabilidade apresentar um projeto e aprovar no parlamento sem apontar fonte de custeio. Igual eu vetei, pouco tempo atrás, internet para todas as escolas", comparou.

 

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

TEMPO

Novo ciclone extratropical chega à Baixada entre esta terça e quarta-feira

O alerta amarelo significa risco de vendaval para as cidades paulistas litorâneas e parte do litoral do Rio de Janeiro

Tecnologia

iFood e Tinder criam loja no app e brincam com 'levar bolo' no Dia dos Solteiros

Os bolos podem ser personalizados com frases como "Assim com o bolo que eu gosto", "Esse é o bolo que eu quero", "De: eu, Para: mim" e "Manda bolo de agora?"

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software