Beto Mansur lê e questiona mensagem de Dilma Rousseff

Ex-prefeito santista, na função de primeiro secretário da Câmara dos Deputados, leu discurso da presidente

Comentar
Compartilhar
03 FEV 201510h26

“Tinha coisas que eu li, mas sabia que não eram verdade”. O autor da frase discursou ontem por cerca de uma hora, lendo 50 laudas preparadas pela presidente da República, Dilma Rousseff (PT), na sessão conjunta da Câmara dos Deputados e do Senado. O comentário é do deputado federal Beto Mansur (PRB), em sua primeira atuação como primeiro secretário da Câmara dos Deputados, após ler a mensagem enviada pela presidente na abertura dos trabalhos legislativos no Congresso Nacional.

Minutos após a leitura, por cerca de uma hora, com direito a transmissão ao vivo pela TV Senado, o texto enviado pela Presidência, o parlamentar afirmou ao Diário do Litoral que contestava alguns pontos do texto.

O deputado federal, que começa seu quinto mandato na Câmara dos Deputados, citou o trecho que considerou inverídico no discurso enviado por Dilma Rousseff: a parte em que ela destacou os investimentos na Educação vindos dos royalties do petróleo. “O preço do barril do petróleo caiu no mundo inteiro”, comentou Mansur, também citando as perdas no setor por conta dos escândalos envolvendo a Petrobras. “Não é bem assim, né...Mas tive de ler”.

Mansur acabou protagonizando um episódio mostrando ser nada impossível em política. Ex-prefeito de Santos por dois mandatos consecutivos (de 1997 a 2000 e de 2001 a 2004), ele se notabilizou por ser o principal opositor petista na Terra de Braz Cubas. E ontem foi a “voz” da presidente.

Ele ironizou ao comentar o longo texto enviado por Dilma Rousseff. “Foram 50 laudas. Ela me deve um pote de mel com própolis”.

Hoje deputado federal, ele derrotou o PT por duas vezes em Santos (Foto: Luiz Torres/DL)

O Regimento Interno da Câmara dos Deputados cita que o presidente (ou a presidente) da República comparece à Casa para ler a mensagem a deputados e senadores, na abertura dos trabalhos legislativos. Em caso de não comparecimento (como ocorreu ontem), a tarefa fica com o primeiro secretário da Câmara dos Deputados.

Mansur foi eleito domingo primeiro secretário com o voto de 426 dos 513 parlamentares. O PRB, cuja bancada é de 21 parlamentares, foi o primeiro partido a aderir à campanha que levou Eduardo Cunha (PMDB) à Presidência da Casa e, dessa forma, teve assegurada uma vaga na Mesa Diretora.

‘Prefeitura’

Segundo o deputado federal, a primeira secretaria é considerada a “prefeitura” da Câmara dos Deputados e tem a função de cuidar da estrutura do órgão, atendendo a população e os demais parlamentares.

Para Beto Mansur, a principal tarefa desse início de mandato não só dele, mas dos dois parlamentares da região (os estreantes João Paulo Tavares Papa, do PSDB, e Marcelo Squassoni, PRB), será a de garantir o envio dos recursos para os projetos da Baixada Santista, especialmente os de Mobilidade Urbana, como o da nova entrada de Santos.

“O importante é a liberação desses recursos anunciados pela presidente”. Porém, ele faz um alerta: “As prefeituras têm de fazer sua parte”, comentou, sobre a necessidade de os projetos cumprirem todas as exigências contratuais.
 

Colunas

Contraponto