X

Política

'Até o final de novembro a gente completa os ministérios', diz Bolsonaro

O presidente eleito pretende reduzir a atual estrutura, de 29 pastas, para um máximo de 17

Folhapress

Publicado em 06/11/2018 às 18:40

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Bolsonaro foi pela primeira vez a Brasília desde a eleição / Divulgação/Fotos Públicas

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), afirmou nesta terça-feira (6) que concluirá, até novembro, a montagem dos ministérios de seu governo. "Até o final do mês a gente completa os ministérios, se Deus quiser", disse ao chegar para um almoço no Ministério da Defesa.

Bolsonaro pretende reduzir a atual estrutura, de 29 pastas, para um máximo de 17.

A equipe de transição ainda discute as fusões de alguns ministérios que são consideradas polêmicas. É o caso da junção, por exemplo, de Agricultura e Meio Ambiente e de Comércio Exterior à pasta da Economia, que será comandada por Paulo Guedes.

Até o momento, o presidente eleito já anunciou os nomes de cinco futuros ministros: Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Paulo Guedes (Economia), general Augusto Heleno (Defesa), Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) e Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia).

Bolsonaro, que foi pela primeira vez a Brasília desde a eleição, disse estar com saudades de seus colegas.

Ele participou mais cedo de cerimônia em comemoração aos 30 anos da promulgação da Constituição Federal, no Congresso.

O presidente eleito não quis confirmar o nome do senado Magno Malta para um de seus ministérios. Malta concorreu à reeleição, mas foi derrotado nas urnas.

"Já estamos conversando aqui. O que nós não podemos é anunciar alguém e dizer que mudou ou que não é mais. O Magno Malta é uma pessoa que me ajudou muito antes mesmo da minha campanha e seria meu vice. Ele que decidiu não sê-lo. Não teve, lamentavelmente sucesso no Senado, mas nós não podemos prescindir do apoio dele na formação neste governo", disse.

Malta é cotado para assumir a junção das pastas de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos. A possível indicação, contudo, já rendeu críticas inclusive de aliados de Bolsonaro.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Aniversário

Aos 492 anos, Itanhaém tem muita história para contar

Cidade, a segunda mais antiga do País, encanta moradores e turistas com quase meio século

Aniversário

Itanhaém comemora 492 anos com atrações culturais e esportivas

Cidade tem variada programação e diversas atrações, além de atividades esportivas e culturais até o final deste mês

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter