Astronauta e príncipe Luiz Philippe entram na disputa pela vaga de vice de Bolsonaro

Líder das pesquisas em cenários sem Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que está preso e deverá ser declarado inelegível, o candidato queria a advogada Janaína Paschoal como sua vice

Comentar
Compartilhar
25 JUL 2018Por Folhapress19h20
Bolsonaro ainda procura opções no meio militar para o postoBolsonaro ainda procura opções no meio militar para o postoFoto: Divulgação/Fotos Públicas

O príncipe Luiz Philippe de Orléans e Bragança, da Casa Imperial Brasileira, e o astronauta Marcos Pontes, 55, o primeiro brasileiro a ir ao espaço, entraram na disputa pela vaga de vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), que ainda procura opções no meio militar para o posto. Líder das pesquisas em cenários sem Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que está preso e deverá ser declarado inelegível, Bolsonaro queria a advogada Janaína Paschoal como sua vice.

Co-autora do pedido de impeachment de Dilma Rousseff em 2016, ela chegou a sentar ao lado do presidenciável em sua convenção no domingo (22). Mas, ao discursar, teria desagradado Bolsonaro e seus aliados com uma fala pedindo moderação.

O desgaste catapultou Marcos Pontes ao topo das preferências de Bolsonaro para vaga de vice. Pontes é filiado ao PSL do presidenciável e já havia sido anunciado por ele como seu ministro da Ciência e Tecnologia, em caso de ser eleito.

Pontes é um tenente-coronel reformado da Força Aérea. Em 2006, ele foi enviado à Estação Espacial Internacional em uma nave russa Soiuz, num golpe de propaganda do governo Lula, que pagou US$ 10 milhões pela carona sem fins científicos notáveis.

Outro nome que está sendo considerado pelo deputado é o do príncipe Luiz Philippe de Orléans e Bragança, fundador do movimento antipetista Acorda Brasil, em 2014. Ele tem 49 anos e filiou-se ao PSL de Bolsonaro, inicialmente para disputar uma vaga na Câmara por São Paulo. Dois sites ligados a Bolsonaro o apontaram, em enquetes de internet, como um bom vice, o que fez o príncipe dizer em rede social que não havia nenhum convite formal.

Janaína Paschoal, apesar da resistência, ainda não está totalmente descartada da disputa. Ela agregaria um verniz feminino à imagem de Bolsonaro, que ainda trabalha com a possibilidade de trazer um nome do meio militar, preferencialmente um general de quatro estrelas.

Polêmico por suas declarações, o general Hamilton Mourão, é outro citado entre apoiadores de Bolsonaro como opção. É filiado ao PRTB, que só fará sua convenção no prazo limite de 5 de agosto.