X
Política

Após Alckmin deixar governo, Lava Jato pede para investigá-lo em São Paulo

O inquérito que está no STJ investiga se o ex-governador recebeu R$ 10,7 milhões da Odebrecht, como contou a empresa em delação premiada

Geraldo Alckmin deixou de ter foro especial / Divulgação/Fotos Públicas

Dois dias após o governador Geraldo Alckmin (PSDB) deixar o governo de São Paulo, na última sexta (6), a força-tarefa da Operação Lava Jato nesse estado pediu ao vice-procurador da República que as investigações sobre supostas propinas pagas ao tucano deixem de ser feitas no STJ (Superior Tribunal de Justiça) e passem a ser tocadas na primeira instância, em São Paulo.

O argumento da força-tarefa é que, ao abdicar do cargo, Alckmin deixou de ter foro especial, pelo qual só poderia ser investigado pelo STJ. A transferência da investigação para São Paulo depende de decisão desse tribunal.

O inquérito que está no STJ investiga se Alckmin recebeu R$ 10,7 milhões da Odebrecht, como contou a empresa em seu acordo de delação firmado no ano passado. Parte do montante teria sido entregue ao cunhado de Alckmin, o empresário Ademar César Ribeiro.

Os valores teriam sido entregues em 2010 e 2014 para campanhas eleitorais, de acordo com os delatores da Odebrecht.

A narrativa da suposta propina foi feita por três executivos da empreiteira: Benedicto Junior, Carlos Armando Paschoal e Arnaldo Cumplido de Souza e Silva.

Alckmin já negou enfaticamente que tenha recebido recursos ilegais da Odebrecht ou de qualquer outra empreiteira investigada na Lava Jato. O seu cunhado não tem se pronunciado sobre o caso.

O inquérito para apurar o caso foi aberto em novembro do ano passado no STJ.

Os procuradores da Lava Jato têm se batido contra o foro privilegiado sob a alegação de que as investigações em tribunais superiores são mais lentas do que na Justiça de primeira instância, o que resulta em impunidade porque os crimes acabam prescritos.

A reportagem tentou falar com a assessoria de Alckmin no começo da noite desta terça (10), sem sucesso.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Neymar vence prefeitura de Santos em briga judicial

A Neymar Sport e Marketing tem como sócios Nadine Gonçalves e Neymar da Silva Santos, pais do atleta do Paris Saint-Germain e da Seleção Brasileira

Cotidiano

Santos cria coordenadoria para longevidade e une gerações por meio de gibi

Além do gibi, os estudantes das escolas municipais ainda terão vídeos e livros para a abordagem do assunto em sala de aula

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software