Após 136 mil mortes, Bolsonaro diz que 'graças a Deus' estava no caminho certo sobre pandemia

Comentar
Compartilhar
20 SET 2020Por Folhapress17h31
Foto: Alan Santos/PR/AB

Após mais de 136 mil mortes em decorrência da Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse neste sábado (19) que foi motivo de chacota, mas que "graças a Deus" estava no caminho certo no enfrentamento à pandemia. O presidente também voltou a criticar o Judiciário.

Segundo ele, a normalidade deve ser restabelecida ainda neste ano. Bolsonaro afirmou ainda que o Brasil foi o país do mundo que melhor se saiu, em relação à economia, durante a pandemia.

"Se naquela época [início da pandemia] até mesmo a chacota se fez presente, hoje, graças a Deus, estamos vendo que estávamos no caminho certo. Se Deus quiser, voltaremos à normalidade ainda no corrente ano", disse durante evento da igreja Assembleia de Deus, em Brasília.

Nesta sexta-feira (18), em evento em Sorriso (MT), Bolsonaro havia voltado a minimizar a Covid-19. Ele parabenizou os produtores agrícolas que "não entraram na conversinha mole de ficar em casa" na pandemia.

"Vocês não pararam durante a pandemia. Vocês não entraram na conversinha mole de 'fica em casa'. Isso é para os fracos", disse a uma plateia de produtores rurais e apoiadores em Sorriso, no norte do estado.

Neste sábado, defendeu seus posicionamentos no enfrentamento da pandemia no evento religioso.
"Tem uma passagem militar que vale para todos nós. Pior que uma decisão mal tomada é uma indecisão. Por vezes, os senhores tomam decisões reservadamente. Eu tive de tomar decisões mesmo sendo tolhido pelo Poder Judiciário", disse o presidente.

Bolsonaro tem criticado reiteradamente decisões do STF (Supremo Tribunal Federal) que autorizou que municípios e estados têm competência concorrente com a União para estabelecer medidas de combate à Covid-19. O STF não impediu o presidente, porém, de tomar decisões.

A visita do presidente ao evento dos evangélicos ocorre na semana em que ele vetou o perdão a dívidas tributárias das igrejas. O montante do benefício chega a cerca de R$ 1 bilhão.

Em publicação nas redes sociais, Bolsonaro sugeriu, no entanto, que os congressistas derrubem seu próprio veto. O presidente explicou que só não manteve o dispositivo para evitar "um quase certo processo de impeachment".

O estímulo à derrubada do veto foi reforçado em conversas com parlamentares da bancada evangélica.