Aluguel da sede do PMDB é novamente questionado

Maria Docilia nega acordo formal para pagamentos de aluguel em atraso

Comentar
Compartilhar
27 FEV 201312h34

“Gato escaldado tem medo de água fria”. O velho ditado popular foi dito em alto e bom som pela proprietária Maria Docilia Fernandes de Liberado, após saber pela imprensa que o presidente da Comissão Provisória do PMDB santista, vereador Marcus De Rosis, havia fechado acordo com ela para abrir mão da ação de despejo por falta de pagamento de aluguel da sede da entidade, pela comissão executiva da legenda desde setembro do ano passado.

“Tivemos apenas uma conversa. De boca, eu não acredito. Queriam me pagar em 36 vezes e eu não aceitei. Depois, me disseram que iriam pagar R$ 10 mil e o restante em parcelas de R$ 5 mil mensais. Quero tudo em preto no branco. Quero assinar um acordo em que o vereador De Rosis e o ex-prefeito Papa (João Paulo Tavares Papa) sejam responsáveis pelo pagamento. A ação continua na Justiça e só vou retirá-la quando um novo documento for assinado”, dispara a proprietária, que teve sua declaração ratificada pelo advogado Daniel de Lima Antunes.

Na última segunda-feira (25), De Rosis garantiu que o acordo já estava formalizado, pois teria, como presidente da comissão provisória, autonomia de resolver a questão que vem desgastando o PMDB local, completamente rachado, tendo como outro lado da força o vereador Antônio Carlos Banha Joaquim, que conseguiu, na Justiça, suspender a eleição interna do partido, vencida por De Rosis.

De Rosis diz que acordo feito será honrado. O ex-prefeito de Santos, Papa, é o fiador do imóvel na Avenida Pinheiro Machado e o vereador Banha denunciou dívidas e pediu intervenção do PMDB santista (Montagem com fotos de Matheus Tagé/ DL)

“O acordo foi feito e será honrado. Estamos até redigindo o documento. A primeira parcela será dia 10 de março próximo. Não estamos de brincadeira e gostaria de encerrar de vez esse assunto. Estão fazendo disso um ato político”, afirma De Rosis.    

Fiador         

O prefeito Papa é o fiador da dívida com Maria Docilia, que inclui aluguel (R$ 4.400,00 mensais) e multa (R$ 6.177,15), totalizando R$ 54.221,74. Desse montante, ainda existem R$ 7.268,01 devidos, referentes a IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) atrasados.

Ou seja, Papa teria deixado de pagar o principal imposto do Município desde 2010 até os dias atuais. O imóvel fica na Avenida Pinheiro Machado, 135, na Vila Mathias. Maria Docilia pediu assistência judicial gratuita por falta de recursos, baseada no Estatuto do Idoso. Além da dívida com o imóvel, existem direitos trabalhistas e encargos sociais pendentes.