X
Política

Alckmin rescindirá contrato de consórcio da Linha Amarela

Desacreditado, o governador disse que "não tem mais jeito" e que uma nova licitação será feita até o fim do semestre

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) decretou, nesta quinta-feira 19, o fim do prazo de espera para a retomada das obras da Linha-4 Amarela. Alckmin disse que as multas e advertências possíveis foram aplicadas ao consórcio Isolux-Corsán-Corviam. Desacreditado, o governador disse que "não tem mais jeito" e que uma nova licitação será feita até o fim do semestre. Com isso, a entrega das Estações Higienópolis-Mackenzie e Oscar Freire ficarão para 2016, São Paulo-Morumbi, para 2017 e Vila Sônia, para 2018.

"Para entregar a Fradique Coutinho já foi um sufoco, ficamos em cima, 24 horas apertando até entregar", criticou o governador. "As outras não têm jeito, porque você vai lá e não tem equipamento, as obras estão totalmente sem insumo", explicou.

Alckmin disse que o governo já contatou o Banco Mundial Interamericano (Bird), que financiava as obras, para fazer a rescisão do contrato. A construção do ramal está parcialmente parada ao menos desde novembro de 2014, como mostrou o jornal O Estado de S. Paulo. Como as obras não voltaram ao ritmo normal, os contratos de quase R$ 560 milhões do empreendimento serão revogados.

Alckmin disse que as multas e advertências possíveis foram aplicadas ao consórcio Isolux-Corsán-Corviam (Foto: Divulgação)

Multas

O secretário de Transportes, Clodoaldo Pelissioni, informou que o consórcio recebeu duas multas e 30 advertências. Apesar do tom pessimista do governador, Pessioni disse que haverá uma última reunião de conciliação na semana que vem. "Estamos com todo o diálogo com a empresa para retomar a obra, mas achamos que não vai ser possível", afirmou.

Segundo o governador, após a rescisão do contrato, o próximo passo será convocar a segunda colocada para assumir os dois lotes das obras pelas quais o consórcio era responsável. Alckmin explicou que no lote 1, que inclui as Estações Higienópolis-Mackenzie, Oscar Freire e São Paulo-Morumbi, a situação é "mais complicada". "A diferença de preço para a segunda colocada é maior, o que deve impedir que ela assuma a obra." No lote 2, que inclui a Estação Vila Sônia, pátios e túneis, o repasse para a segunda colocada seria mais provável.

Caso as obras não sejam repassadas para empresas que participaram da antiga licitação, o governo pretende fazer um novo chamamento ainda no primeiro semestre. Os novos consórcios seriam escolhidos até o fim de dezembro, com a retomada das obras em janeiro de 2016. Com isso, os prazos de entrega para as quatro estações serão portanto alterados: Higienópolis-Mackenzie e Oscar Freire seriam entregues em 2016; São Paulo-Morumbi, em 2017; e Vila Sônia, que ainda está em fase inicial das obras, no fim de 2018.

Impasse

Enquanto o Metrô culpa o consórcio por não honrar o cronograma dos contratos, as empresas dizem que o Metrô é o responsável pelo atraso, por uma suposta demora na entrega dos projetos executivos. Questionado, Alckmin negou a informação. "Não houve atraso de projetos do Metrô", afirmou.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Santos

Incêndio em apartamento assusta moradores em Santos

Um incêndio em um apartamento na Rua Barão de Paranapiacaba, na Encruzilhada, em Santos, mobilizou equipes do Corpo de Bombeiros na tarde desta terça-feira (30)

Santos

Atualização dos números da covid-19 em Santos

O número de casos acumulados passou de 55.686 para 55.776

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software