Alckmin fica no PSDB e não fala em planos para 2010

“Não vejo relação entre 2008 e 2010. 2010 é uma outra eleição, daqui dois anos muita coisa muda”

Comentar
Compartilhar
09 FEV 201320h35

O ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), declarou à imprensa, ontem, nos estúdios da Unimes, que fica no partido que ajudou a fundar e que não tem planos políticos para as eleições de 2010. “Não vejo relação entre 2008 e 2010. 2010 é uma outra eleição, daqui dois anos muita coisa muda”.

“Eu sou fundador do PSDB, não tem nenhum sentido essa história de mudar de partido. Aliás, eu só tive um partido, que foi o MDB — o Manda Brasa — e saí pra fundar um partido novo, com padrão ético, com responsabilidade social e fiscal, enfim uma nova política. Pretendo sim ajudar o PSDB a cumprir o seu papel no regime democrático”.

Sobre o apoio do governador José Serra ao seu adversário político Gilberto Kassab, Alckmin afirmou que não tem nenhuma “reclamação” porque o segundo turno constitui uma “segunda eleição”.

Contrariando as especulações sobre não ter apoio dentro do partido tucano, Alckmin ressaltou que representou o partido com honra no primeiro turno das eleições municipais de São Paulo, já que seu nome teve a aprovação de 90% dos filiados na convenção do PSDB.

Quanto ao seu futuro político, o ex-governador limitou-se a dizer que “2010 está longe”. Agora, Alckmin se dedicará à Clínica Médica, Acupuntura e à universidade. “Pretendo agora me dedicar ao magistério, à Medicina, e podendo, no meu tempo livre ajudar na organização do partido e no Instituto Teotônio Vilella para discutir os temas do Brasil e de São Paulo”.

Alckmin leciona nos cursos de graduação, pós-graduação e MBA de Medicina e Comércio Exterior, na Universidade Metropolitana de Santos (Unimes).