Alckmin enfrenta protesto de professores em Diadema

Pelo menos quatro professores com camisetas da Apeoesp soltavam gritos como 'Cadê o salário dos professores?'

Comentar
Compartilhar
27 MAR 2018Por Estadão Conteúdo13h01
Foto: Divulgação

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), enfrentou um protesto nesta terça-feira, 27, em sua passagem por Diadema, na região do Grande ABC, onde participou de agenda com teor político.

Após discursar durante entrega das obras da Fábrica de Cultura do município, pelo menos quatro professores com camisetas da Apeoesp soltavam gritos como "Cadê o salário dos professores?" e "Cadê os 2% do Iamspe que ele não paga?", em referência à contribuição paga por servidores ao Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual.

Enquanto os professores protestavam, apoiadores gritavam palavras de apoio a Alckmin, como "Geraldo presidente". O governador, ao mesmo tempo, posava para selfies com moradores. O grupo contrário foi contido por seguranças enquanto o tucano visita as obras do prédio.

Um pouco antes, Alckmin foi recebido pelo prefeito de Diadema, Lauro Michels (PV), com frases de apoio à sua pré-candidatura ao Planalto. "Estamos com você porque o Brasil precisa de algo urgente, é Geraldo presidente", discursou Michels, durante cerimônia para entrega das obras do prédio da Fábrica de Cultura de Diadema.

Antes, em São Bernardo do Campo, o presidenciável também recebeu apoio público do prefeito Orlando Morado (PSDB)