Alckmin: denúncia é grave; mas denúncia 'não é condenação'

O governador afirmou ainda que a decisão do PSDB em ficar na base de apoio ao governo foi tomada por cima das reformas

Comentar
Compartilhar
27 JUN 2017Por Estadão Conteúdo20h00
"É preciso entender que denúncia não é condenação. Não podemos antecipar condenação", disse Alckmin"É preciso entender que denúncia não é condenação. Não podemos antecipar condenação", disse AlckminFoto: Governo do Estado

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta terça-feira, 27, que a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer (PMDB) é grave, mas ressaltou que "denúncia não é condenação". O tucano não antecipou sua opinião sobre como os deputados do partido devem se posicionar na votação que vai definir se a Câmara autoriza ou não a instauração de uma ação penal contra Temer. Mas defendeu que o partido adote uma posição única, contra ou a favor.

"É preciso entender que denúncia não é condenação. Não podemos antecipar condenação", disse Alckmin em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes. "É grave, há uma denúncia e ela precisa ser apurada."

Alckmin disse que o PSDB vai no devido tempo tomar uma decisão. "Eu defendo que (o partido) não abra a bancada, que a decisão seja de partido, que não libere a bancada", declarou. 

O governador afirmou ainda que a decisão do PSDB em ficar na base de apoio ao governo foi tomada por cima das reformas. "Isso não quer dizer que não possamos tomar uma atitude amanhã", ponderou. 

Para o tucano, é preciso ter serenidade. "O importante é que as instituições funcionem e que a gente não deixe a economia derreter, o País já está com 14 milhões de desempregados." 

O governo repetiu o discurso que adotou desde o início da crise do governo Temer, de que o compromisso do PSDB não é com o governo, mas com o País.