Alckmin apresenta Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior

Proposta tem a finalidade de estabelecer metas para o incremento das matrículas no ensino superior de estudantes oriundos de escolas públicas.

Comentar
Compartilhar
20 DEZ 201217h33

O governador Geraldo Alckmin apresentou nesta quinta-feira (20) o Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Público Paulista – PIMESP. A proposta, que foi desenvolvida por comissão composta no âmbito do Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas – CRUESP, tem como objetivo o estabelecimento de um regime de metas para o incremento das matrículas no ensino superior de estudantes oriundos de escolas públicas e, dentre esses, de negros, pardos e indígenas.

"As universidades já têm um programa de inclusão com várias ações afirmativas, mas nós queremos ter um programa mais abrangente e de Estado, ou seja, para todos", explicou o governador.

Segundo a proposta, ao menos 50% das matrículas em cada curso e em cada turno deverão ser ocupadas por alunos que cursaram integralmente o ensino médio em escolas públicas. Dentro dessa meta, o percentual de negros, pardos e indígenas deverá ser, também no mínimo, 35% - valor verificado para a população do Estado de São Paulo no Censo Demográfico de 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As metas deverão ser atingidas ao longo de três anos, a partir de 2014.

Alckmin apresenta Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Público Paulista. (Foto: Divulgação)

Conforme cálculos realizados tomando como base o número de matriculados no ensino superior público paulista em 2012, para se atingirem as metas propostas são necessários mais 4.520 estudantes oriundos de escolas públicas, sendo 2.543 desses autodeclarados negros, pardos e indígenas.

A proposta prevê a implantação de três principais estratégias. A criação do Instituto Comunitário de Ensino Superior (ICES), em parceria com a Universidade Virtual do Estado de São Paulo (UNIVESP), possibilitará a oferta de cursos superiores sequenciais com duração de dois anos, que atenderão 40% do total das metas étnico-sociais. A seleção será realizada por meio do desempenho dos candidatos no Enem. Serão 2.000 vagas para alunos que cursaram o ensino médio integralmente em escolas públicas, sendo 1.000 delas reservadas a estudantes pretos, pardos e indígenas.

Já ao final do primeiro ano do curso, os concluintes que tiverem aproveitamento superior a 70% terão ingresso garantido em cursos das FATECs, com escolha da vaga por desempenho no curso. O final do segundo ano, os concluintes terão ingresso garantido nas FATECs e nas universidades e faculdades estaduais, também com escolha da vaga por desempenho. Os estudantes que concluírem o curso do ICES terão um diploma de ensino superior com o qual também poderão exercer atividades profissionais e prestar concursos públicos.

Outra ação proposta para o cumprimento de 100% das metas estabelecidas para cada ano será a implantação, em cada instituição de ensino superior público paulista, de um Plano Institucional de Recrutamento de estudantes capacitados e participantes dos grupos sociais no regime de metas.

Também será criado, pelo Governo Estadual e Instituições de Ensino Superior, um Fundo Especial para Apoio à Inclusão Social, com a finalidade de financiar a permanência de estudantes no Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Público Paulista, incluindo-se o ICES e as Universidades. A proposta prevê bolsas-manutenção de meio salário mínimo (R$ 311,00) aos alunos com renda familiar inferior a 1,5 salários mínimo, com o propósito de suprir necessidades fundamentais de transporte e alimentação. Os contemplados serão avaliados mensalmente quanto à sua participação nas atividades escolares.

Os investimentos anuais previstos para o Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Público Paulista somarão R$27,017 milhões no primeiro ano, crescendo progressivamente até atingir R$94,679 milhões no sétimo ano, a partir de quando permanecerão constantes.