Alckmin aponta facada em Bolsonaro como vilã de sua derrota

A rara manifestação pública do ex-governador foi dada ao responder uma questão em debate promovido pelo Pensamento Nacional das Bases Empresariais

Comentar
Compartilhar
23 MAI 2019Por Folhapress19h04
Geraldo Alckmin apontou a facada em Bolsonaro como a vilã de sua derrotaFoto: Maurício Rummens/A2 Fotografia

O ex-governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB) considera que a facada sofrida por Jair Bolsonaro (PSL) durante a campanha eleitoral de 2018 como fator central para sua derrota, a pior já sofrida por um tucano em disputa pela Presidência.

"A campanha começou com o PT se vitimizando e acabou com ele [Bolsonaro] se vitimizando até o fim", afirmou o tucano. "Eu estava subindo e ele, caindo. Só no dia da facada, ele teve 22 minutos de Jornal Nacional", disse, quando o adversário sofreu o atentado em Juiz de Fora, em 6 de setembro.

A rara manifestação pública do ex-governador foi dada ao responder uma questão em debate promovido pelo Pensamento Nacional das Bases Empresariais na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado, em São Paulo. "[A facada] foi o fato superveniente da eleição", disse ao ser questionado qual havia sido o "maior empecilho" na disputa.

Naquele ponto em 2018, a corrida eleitoral entrava em sua segunda semana de propaganda gratuita de rádio e TV. Alckmin havia amealhado apoio maciço, como oito partidos unidos ao PSDB e o maior tempo de publicidade, e de fato a facada em Bolsonaro embaralhou as cartas, já que todos os candidatos suspenderam suas atividades.

Estrategistas do PSDB, ao avaliar a campanha em que o candidato ficou em quarto lugar no primeiro turno com 4,76% dos votos, concordam parcialmente com a avaliação. A facada teve peso central para eles, mas há dúvidas se o tucano conseguiria convencer um eleitorado fortemente inclinado à rejeição do sistema político a apoiá-lo.

Alckmin evitou criticar diretamente Bolsonaro. Repetiu seu bordão atribuído a Santo Antônio de Pádua que já usou para criticar o desafeto João Doria (PSDB): "Se não puder falar bem, não diga nada". Instado por um debatedor se isso valia também para o hoje governador paulista, ele riu e disse que era "uma casca de banana".

O tucano, que deixará a presidência do PSDB na semana que vem e será substituído por Bruno Araújo (PE), deputado federal do grupo de Doria, aproveitou para cutucar o antigo protegido, lançado por ele na política em 2016. "É um momento de intolerância, mesmo no meu partido", afirmou.

Ele se referia às críticas a tucanos que integram o movimento Direitos Já, suprapartidário mas com viés de esquerda, com a participação de petistas. Ele não vai, contudo, fazer parte do grupo, que visa formular contrapontos à gestão Bolsonaro.

"As pessoas são livres para conversar. Eu mesmo tive uma audiência com o presidente", disse a jornalistas após o evento.
Na mesma linha, ele evitou criticar os atos marcados por apoiadores de Bolsonaro para o domingo (26). "Eu defendo a liberdade", afirmou, ressaltando ser contra aqueles setores entre os manifestantes que pregam fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal. "Aí, não."

Sobre o presidente, ele criticou a política pró-armas, afirmando que boa parte da queda no número de homicídios em São Paulo durante seus mandatos se deve ao desarmamento da população. "Graças a Deus o governo voltou atrás na questão do fuzil. Isso iria virar um faroeste, um bangue-bangue. É a polícia armada que garante a segurança", afirmou sobre a alteração no decreto sobre posse e porte de armas editado por Bolsonaro, que permitia acesso de cidadãos comuns a armas de alta potência.

Alckmin afirma que segue na política, mas evitou dizer se voltaria a se candidatar. "Já ganhei, já perdi", disse. Ele dá palestras a estudantes e está estudando no Hospital das Clínicas para voltar a trabalhar na profissão -é anestesista. "Fiz 2.000 cirurgias antes de entrar na vida pública, mas fiquei 30 anos afastado", diz.

Colunas

Contraponto