Aécio classifica de desnecessárias diligências da PF em seus endereços

Legalidade de doações à campanha em 2014 será comprovada, diz senador

Comentar
Compartilhar
12 DEZ 2018Por Agência Brasil04h30
Edifício em Ipanema, no Rio de Janeiro, onde Aécio Neves tem apartamentoEdifício em Ipanema, no Rio de Janeiro, onde Aécio Neves tem apartamentoFoto: Agência Brasil

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) disse nesta terça-feira (11) que os pedidos de diligência cumpridos na manhã de ontem pela Polícia Federal em seus endereços foram "absolutamente desnecessários" e que as investigações vão comprovar que as doações feitas à campanha dele à Presidência em 2014 ocorreram de forma correta.

Aécio chamou a imprensa para falar sobre a Operação Ross, deflagrada ontem, que autorizou o cumprimento de mais de 20 mandados de busca e apreensão em residências ligadas a Aécio e a outros parlamentares.

"O maior interessado em esclarecer todas essas questões sempre fui eu. Sempre estive à disposição das autoridades para prestar todos os esclarecimentos devidos. As doações à campanha eleitoral, feitas em 2014 de forma legal, foram provadas pela Justiça Eleitoral sem absolutamente qualquer contrapartida", disse. Segundo o parlamentar, não se pode mais aceitar que "delações de criminosos confessos e suas versões se sobreponham aos fatos".

Aécio Neves informou que os advogados estão em contato com o delegado da PF responsável pela marcação do depoimento, que ele quer que ocorra "o mais rapidamente possível". Citando o empresário Joesley Batista, ex-presidente do grupo JBS, o senador disse que nunca beneficiou a família, nem quando era governador de Minas Gerais. Aécio ressaltou que, na época, inclusive, o governo estadual chegou a autuar o grupo pelo recolhimento irregular de impostos.

"Delatores, em busca da manutenção da sua incrível imunidade penal, falseiam as informações e transformam algo lícito, legal, [em algo] com aparência de crime. Não houve nenhuma ilicitude. Chega de tentar transformar a realidade em benefícios para esses delatores. Tenho absoluta confiança na Justiça. A seriedade dessas apurações vai mostrar o que foi feito de forma correta, não apenas em relação ao PSDB, mas a outros partidos políticos. Criminalizar a doação que era legal é um desserviço à verdade e à Justiça", afirmou.

Mais cedo, o advogado de Aécio, Alberto Toron, havia dito que o parlamentar "sempre esteve" à disposição para prestar esclarecimentos e que a "correta e isenta investigação" vai apontar a verdade e a legalidade das doações.