Advogado de Padilha entrega defesa de ministro à CCJ

A partir da entrega da última defesa, o relator da denúncia, deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), tem um prazo de cinco sessões para apresentar seu parecer

Comentar
Compartilhar
04 OUT 2017Por Folhapress19h30
O ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) foi o primeiro a encaminhar sua defesa à CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da CâmaraFoto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

O ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) foi o primeiro a encaminhar sua defesa à CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, no início da tarde desta quarta-feira (4).

Dois advogados chegaram à sala da comissão às 13h17.

"Podemos afirmar, sem dúvida alguma, que tratamos de uma denúncia inepta. No que diz respeito ao ministro Padilha, e gostaria de deixar claro a todos, não há sequer uma menção de participação do ministro em qualquer ato vinculado à Operação Lava Jato. Então temos, sim, a mais absoluta convicção de que esta Casa Legislativa não deixará que uma peça nessas condições siga adiante", afirmou o advogado Daniel Gerber, responsável pela defesa de Padilha.

O texto da defesa ainda não foi divulgado à imprensa.

A partir da entrega da última defesa, o relator da denúncia, deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), tem um prazo de cinco sessões para apresentar seu parecer.

A expectativa é que defesa do presidente Michel Temer seja apresentada no final da tarde desta quarta-feira.

A assessoria do ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral) não informou o horário em que a defesa dele será entregue à CCJ. No entanto, a expectativa é que os advogados de Moreira e Temer cheguem juntos à Câmara.

Nesta segunda denúncia, Michel Temer é acusado por organização criminosa e obstrução de Justiça.

Os dois ministros também são alvo de denúncia por organização criminosa.

POLÊMICAS

O advogado de Padilha disse que, a partir de quinta-feira (5), vai procurar o presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco, para discutir o rito de tramitação da denúncia na comissão.

Ele disse esperar que os advogados dos três alvos da denúncia tenham oportunidade de falar e afirmou que, para ele, é indiferente se os casos serão fatiados ou se tramitarão conjuntamente, como defendem técnicos da Câmara.

O advogado minimizou a polêmica envolvendo a relatoria da denúncia. O deputado Bonifácio de Andrada é governista e seus correligionários querem que ele deixe a função.

"Não acompanho estas polêmicas. Meu trabalho será realizado de uma forma ou de outra", afirmou.