Adiada discussão sobre expulsão do presidente do PT

Além de Fernandes, também está na berlinda, outro membro do diretório que compôs o staff do prefeito Farid Madi, o ex-secretário de Ação Social, Edilson Dias Andrade

Comentar
Compartilhar
09 FEV 201320h52

Por falta de quorum, a reunião do Diretório Municipal do PT de Guarujá que discutiria a expulsão do atual presidente Nelson Fernandes, foi suspensa, na tarde de ontem. Além de Fernandes, também está na berlinda, outro membro do diretório que compôs o staff do prefeito Farid Madi, o ex-secretário de Ação Social, Edilson Dias Andrade.

Um grupo de membros do partido pede a expulsão deles com base em denúncia feita ao Ministério Público Eleitoral sobre a nomeação de parentes para cargos na secretaria e frentes de trabalho do Município. A denúncia foi publicada no DL, no último dia 13. 

Segundo o secretário de organização do Diretório Municipal do PT de Guarujá, João de Moraes Ferreira, que também é membro da Macrorregião do partido, o futuro de Nelson Fernandes e Edilson Dias no PT de Guarujá dependerá da intervenção do Diretório Estadual do PT e da Macrorregião, devido a impasse na esfera municipal. “Nelson Fernandes tem apoio da maioria dos membros do diretório, então, vamos solicitar a participação de um membro do Diretório Estadual e da Macrorregião”.

João Ferreira não precisou quando os membros do Diretório Municipal, juntamente com a Macrorregião encaminharão o pedido ao Diretório Estadual, mas garantiu que será nesta semana. Porém, ele acredita que o Diretório Estadual só deverá se manifestar sobre o caso, após o segundo turno das eleições municipais.

João Ferreira afirmou que dos 13 membros necessários para a conduzir a reunião de ontem que discutiria ainda a posição do PT no cenário político de Guarujá, só compareceram 11 membros. “O PT de Guarujá está sendo esvaziado. O partido está parado e os membros que não têm apoio ou os candidatos que não tiveram apoio do partido no processo eleitoral estão abandonando o PT”.