Vídeo recebido pela polícia mostra início do incêndio na Alemoa

“O que realmente chama a atenção é a velocidade que o fogo tomou conta (do local)”, afirma o delegado Max Pilotto, que preside o inquérito

Comentar
Compartilhar
15 ABR 201510h43

Um vídeo de monitoramento gravado pela empresa Stolthaven, vizinha da Ultracargo, mostra o início do incêndio e chama atenção da Polícia Civil pela velocidade de propagação do fogo. Um CD contendo estas imagens foi apresentado ontem pelo superintendente de segurança da Stolthaven ao delegado-assistente do 1º Distrito Policial, Max Pilotto, que preside o inquérito.

As imagens não foram divulgadas pela Polícia Civil, mas Pilotto revelou ao DL, na tarde de ontem, sua primeira impressão. “O que realmente chama a atenção é a velocidade que o fogo tomou conta (do local). Realmente espantou a todos os técnicos, que estão acostumados a trabalhar com isso”, afirmou.

O delegado informou que a investigação, neste momento, tem como principais objetivos identificar o que desencadeou o incêndio e porque não foi possível um controle efetivo da propagação no início.

Pilotto já pediu aos representantes jurídicos da Ultracargo a relação dos funcionários que estavam trabalhando no último dia 2, quando o incêndio começou. Assim que os nomes forem fornecidos, o delegado começará a tomar os depoimentos.

Seis tanques pegaram fogo durante o incêndio, que durou oito dias (Foto: Luiz Torres/DL)

Desde segunda-feira, a Polícia Científica mantém equipes no local do incêndio para o trabalho pericial. O acompanhamento começou no primeiro dia da ocorrência, mas devido ao trabalho de combate às chamas a entrada dos peritos foi programada somente o início desta semana.

“Todo trabalho pericial vai subsidiar o inquérito policial. São fundamentais os depoimentos em confronto com a perícia técnica”, disse Pilotto.

Devido à complexidade do caso, o delegado afirma que após os 30 primeiros dias da investigação será necessário pedir prorrogação de prazo à Justiça.

Procurada ontem pelo DL, a Ultracargo informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que colabora com as investigações dos órgãos que apuram o incêndio. Ao ser questionada sobre a entrega à Polícia Civil da relação dos funcionários que trabalhava no terminal no dia 2, não informou a data prevista.

De acordo com o delegado que investiga o caso, os representantes jurídicos se comprometeram a entregar a relação de funcionários e outros documentos solicitados até o início da próxima semana.

A Stolthaven também foi procurada pela Reportagem, mas não se manifestou sobre o vídeo cedido à Polícia Civil até o fechamento desta edição.