Viciado em crack era olheiro de ponto de tráfico em Mongaguá em troca da droga

Ele foi preso pela Polícia Civil e seu nome consta como despesa no caderno de anotações de traficantes

Comentar
Compartilhar
19 NOV 2020Por Gilmar Alves Jr.17h26
Os investigadores apreenderam mais de 750 porções de drogasFoto: Divulgação/Polícia Civil

Um homem de 41 anos, viciado em crack, foi preso pela Polícia Civil, em Mongaguá, por colaborar com o tráfico de drogas na função de olheiro. Ao ser detido na Vila Atlântica, na noite de terça-feira (17), ele relatou ser usuário de crack "compulsivo" e admitiu que ficava na região da "Boca do Batalha" para auxiliar como olheiro em troca da droga como "forma de pagamento". 

Conforme constatou a equipe do delegado Luiz Antônio Pereira, titular de Mongaguá, e do investigador-chefe, Alexandre dos Santos, o nome do detido até consta como despesa no caderno de anotações de traficantes. 

Em viatura descaracterizada, os investigadores realizaram a diligência, na Rua Doutor Luís Pereira Barreto, em razão de informações sobre intenso comércio de entorpecentes na "Boca do Batalha", local já conhecido nos meios policiais. 

Além do olheiro, um suspeito de realizar a venda das drogas foi avistado, mas este conseguiu fugir pela mata com a aproximação dos policiais, que ocorreu por volta das 18h50. Ele dispensou uma mochila carregada com entorpecentes. 

Nela os policiais apreenderam 258 porções de cocaína, 428 pedras e crack, 29 porções de maconha e 37 porções de skunk (supermaconha), além do caderno com as anotações relacionadas ao tráfico. 

O acusado de ser olheiro também chegou a ser perseguido, mas foi alcançado sem grandes dificuldades. 

Ele foi autuado pelo artigo 37 da Lei de Drogas (11.343/2006), crime que prevê pena de 2 a 6 anos, e multa.