CAMPANHA DE 1 A 11

Tiro e tumulto e prisões na Ba-Bahianas de São Vicente

A Polícia Militar agiu rapidamente e a ação foi controlada

Comentar
Compartilhar
24 FEV 2020Por Da Reportagem09h50
Um tumulto ocorreu, às 15 horas, na Praia do Itararé, durante a dispersão da bandaFoto: Reprodução

Indivíduos aproveitaram a grande quantidade de foliões que estiveram neste domingo, participando da Banda Ba-Bahianas, em São Vicente, para praticar roubos e furtos. 

Num certo momento, no meio dos quiosques e foliões, um elemento de camisa preta, puxou um revólver e tentou alvejar com um tiro um desafeto. O homem sai correndo. O outro, que seria o alvo, sem ser atingido, saiu esbravejando no meio de populares.       

Um tumulto ocorreu, às 15 horas, na Praia do Itararé, durante a dispersão da banda. A Prefeitura de São Vicente informou que acionou a Polícia Militar, que agiu rapidamente e a ação foi controlada. 

De sua sacada, um comerciante filmou grupos subindo em carros e, segundo ele, invadindo o comércio local, sem ação alguma de segurança. Depois, o comerciante mostrou a Polícia Militar atuando na avenida que levava os foliões à Praia do Itararé, onde ocorreu o desfile do Ba-Bahianas.

Informações obtidas pelo Diário dão conta que foram registradas agressões no 1o Distrito. Também ouve tentativa de invasão do Shopping Brisamar, com alguns seguranças feridos. Algumas pessoas foram detidas. 

Segundo uma fonte dentro da Guarda Municipal de São Vicente, não existe câmeras de monitoramento na Cidade, o que dificulta a identificação de marginais que atuam no Município, principalmente na orla.

A fonte também explica que falta viaturas à Guarda, coletes balísticos para preservar a integridade física e nem rádios comunicadores para eventos grandes, como o carnaval. 

O efetivo operacional da Guarda é de 160 agentes para uma cidade com 360 mil habitantes fora da temporada. Praia Grande, por exemplo, tem 420 agentes operacionais, para uma município com menos de 300 mil habitantes. "Se tívessemos equipamento e mais agentes, esses tumultos poderiam ser minimizados ou sequer teriam ocorrido", afirma o guarda vicentino.      

PM

Segundo obtido pela Reportagem, uma equipe da Polícia Militar estava em patrulhamento pelo bairro Gonzaguinha atrás de indivíduos que teriam efetuado o arrastão no Itararé. Oito indivíduos foram visualizados.   

Ao avistarem a viatura, eles demonstraram nervosismo e se separaram. Realizada a abordagem em quatro, foram localizados quatro aparelhos celulares, diversos cartões e documentos pessoais. Questionados acerca dos materias, não souberam informar a procedência. 

Os outros quatros foram abordados pela outra equipe da PM, que localizou mais três aparelhos celular com os infratores, mais carteira e diversos documentos. Eles  também não souberam informar a procedência. 

Foi necessário o apoio de uma policial feminina, pois havia uma adolescente, e com ela foi localizado mais quatro aparelhos. Pelo local diversas vítimas compareceram, reconhecendo celulares e os autores. 

Foi dada voz de prisão, todos foram algemados e conduzidos  ao distrito policial sede, onde a delegada de plantão tomou conhecimento dos fatos e mandou elaborar um boletim de flagrante de roubo, furto e corrupçao de menores. No DP, compareceram outras vítimas que reconheceram os autores e os pertences subtraídos.

Boa Vista

Outra fonte do Diário informou que em patrulhamento tático no bairro Boa Vista, a Polícia Militar obteve a informação que um indivíduo branco com chifre de unicórnio rosa havia praticado furto de um celular e cartão bancário enquanto a vitima estava no ônibus. 

A Polícia iniciou patrulhamento tático e avistou J.K.G.B com as características informadas com um celular em mãos. Ao pressentir que foi notado, pôs o aparelho junto à outros dois na cintura e não soube explicar a origem do celular. Ao acender a tela do aparelho, os policiais viram  a fotografia da vitima. 

O menor de 16 anos foi conduzido ao Distrito sede reconhecido e seu parceiro também reconhecido e indiciado por foto "Danilo", ficando o unicórnio preso à disposição da Justiça.      

Secult

A Secretaria da Cultura (Secult) explica que havia policiamento durante todo o trajeto da banda, realizado por policiais militares e agentes da Guarda Civil Municipal (GCM). A Secult ressalta que o bloco desfilou com segurança, tanto para quem participava da folia, quanto para quem assistia.

Créditos: Reprodução