Três são indiciados em investigação de sequestros-relâmpagos a motoristas de aplicativo em Santos

Dois deles já estão presos; crimes ocorreram em agosto de 2018

Comentar
Compartilhar
10 ABR 2019Por Gilmar Alves Jr.15h01
Duas vítimas reconheceram os três acusados em álbuns fotográficos no 2º Distrito Policial (Jabaquara)Duas vítimas reconheceram os três acusados em álbuns fotográficos no 2º Distrito Policial (Jabaquara)Foto: Divulgação/Polícia Civil

A Polícia Civil esclareceu dois sequestros-relâmpagos cometidos contra motoristas de aplicativo em Santos e indiciou três homens, que tiveram a prisão preventiva decretada pela Justiça.

Um rapaz de 23 anos responde pelo primeiro assalto, que ocorreu em 4 de agosto, e já encontra-se preso por outro crime. Outros dois, de 20 e 18, respondem pelo segundo roubo, em 17 de agosto. O acusado de 20 anos também está detido por outro delito e o de 18 está foragido.

Os crimes foram esclarecidos pela equipe do delegado Francisco Garrido Fernandes, titular do 2º Distrito Policial (Jabaquara), e do investigador-chefe Marcos Pina.

Eventuais vítimas podem procurar o setor de investigações da unidade para reconhecimentos. O número do telefone é 3234-6901.

Os casos

No primeiro sequestro-relâmpago, o motorista foi dominado por dois ladrões na Avenida Bernardino de Campos, na Vila Belmiro,  ao aceitar uma corrida, e levado até as proximidades do Morro do Jabaquara, onde foi mantido refém por cerca de seis horas.

"Neste período, os meliantes efetuaram saque em terminal bancário, além de roubarem o dinheiro que havia consigo e seu aparelho celular", afirmam os investigadores.

No distrito, a vítima reconheceu o assaltante de 23 anos em um álbum fotográfico . De acordo com o motorista, o reconhecido agiu com arma de fogo e ficou ao lado no veículo.

O segundo caso esclarecido teve como vítima um motorista rendido na Rua Professor Celso da Cunha Alves, no Jabaquara. Quatro homens e uma mulher entraram no carro e obrigaram a vítima a dirigir até o Morro do Fontana, local onde ela passou a ser ameaçada e agredida.

"Enquanto alguns meliantes vigiavam a vítima, outros foram usar os cartões, causando prejuízo patrimonial", afirmam os policiais.

No cativeiro havia cerca de doze pessoas e havia outros motoristas reféns, segundo a vítima.

Ao analisar álbuns fotográficos no distrito, o motorista reconheceu dois integrantes da quadrilha.