Suspeito que atirou na cabeça de homem por causa de vaga de estacionamento ficou de tocaia, diz esposa de vítima

Marcia Pimenta dos Santos afirma que o autor do disparo esperou escondido para saber quem havia parado o carro na vaga que ele costumava utilizar durante os finais de semana

Comentar
Compartilhar
14 AGO 2019Por LG Rodrigues11h25
Ednei foi baleado na cabeça por causa de vaga de estacionamento no domingo (11) em GuarujáFoto: Arquivo Pessoal

A esposa do homem que foi baleado na cabeça devido a uma briga por uma vaga de estacionamento em Guarujá afirma que o autor dos disparos planejou a ação e também a ameaçou com a mesma arma que utilizou para ferir gravemente seu marido. Segundo ela, testemunhas do crime disseram que o suspeito ficou de tocaia esperando para confrontar o dono do carro que estava estacionado no mesmo local que ele deixava o próprio carro todos os dias.

Marcia Pimenta dos Santos afirma que seu marido, Ednei Pereira dos Santos , de 46 anos, levou toda a família para passar o domingo (11) na casa do pai dele, que mora no bairro Cachoeira, em Guarujá.

“Ficamos lá o dia todo, mas quando começou a anoitecer a nossa filha, que estava grávida, disse que queria ir pra casa descansar porque estava com muitas dores nas costas. Devido a isso, nós a levamos embora de carro e depois voltamos pra casa do meu sogro. Só que o local onde nós havíamos estacionado antes já estava ocupado e por isso deixamos o carro estacionado na frente de uma igreja”, explica.

Depois de deixar o carro da família na nova vaga, eles voltaram para a casa do pai de Ednei, onde passaram o restante da noite. Dias após o crime, testemunhas contaram a ela que o autor dos disparos, identificado por Marcia como Roberval, chegou com seu próprio automóvel algumas horas depois e percebeu que o local onde ele costumava deixar o seu carro estava agora ocupado pelo veículo de Ednei.

“Os moradores me disseram que ele entrou na igreja pra saber de quem era o carro, mas ninguém sabia e foi aí que ele ficou de tocaia esperando pelo dono. Quando anoiteceu, o Ednei foi buscar o carro e nós ficamos esperando por ele na porta da casa do meu sogro. Minutos depois disso uma moça veio correndo e gritando dizendo que meu marido estava sendo atacado”, explica Marcia.

Ela conta que correu para a frente da igreja e chegou no momento em que Ednei estava sendo sufocado pelo suspeito. Marcia diz que o marido pediu para que ela fosse chamar ajuda, mas ela explica que percebeu que não haveria tempo e pegou um pedaço de madeira do chão que usou para atacar o agressor, que soltou Ednei.

“Depois disso ele jogou o meu marido no chão e correu pra uma viela, que é onde fica a casa dele. Logo depois ele voltou armado e deu um tiro na cabeça do Ednei e aí ficou nos ameaçando, apontou a arma pra minha cabeça e também do meu cunhado que chegou e ficou perguntando quem queria ser o próximo. Foi aí que os moradores intervieram e tentaram linchá-lo”, diz.

Marcia explica que as viaturas da Polícia Militar não demoraram e chegaram poucos minutos depois da população cercar a casa do autor dos disparos. Os policiais prenderam o suspeito dentro de sua residência e conseguiram impedir o linchamento. Ele foi levado para a Delegacia Sede de Guarujá e preso.

Richa
Ainda de acordo com Marcia, seu marido e o autor dos disparos são ex-cunhados e já tiveram desentendimentos no passado, mas ela afirma que ninguém da família sabia que o local onde eles estacionaram o carro da família era uma vaga onde o suspeito costumava deixar o próprio automóvel durante os finais de semana.

A filha do casal que estava grávida acabou passando mal após saber do crime e entrou em trabalho de parto na manhã desta terça-feira (13), aproximadamente um mês antes do planejado. Apesar disso, mãe e bebê passam bem.

Segundo a assessoria de imprensa, Ednei foi levado para o Hospital Santo Amaro e deu entrada na Unidade de Urgência e Emergência em estado grave. Horas após receber o primeiro atendimento, ele foi transferido para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital Don Domênico.

Nesta terça-feira (13), a assessoria de imprensa do Hospital Don Domênico confirmou que a vítima sofreu perda de massa encefálica. O dano caracteriza uma lesão grave e pode afetar a fala, movimentos ou memória da vítima dependendo da região que foi ferida.

“Veio o nosso netinho para dar uma pequena alegria, mas aquele homem tentou matar um pai de família e acabou com a nossa família. Ele tem que continuar preso”, conclui.

Colunas

Contraponto