Suspeito de tráfico é morto por militares no Complexo da Maré

Os moradores protestaram contra a ação. Fecharam a Linha Amarela por duas vezes. Sustentam que os militares “plantaram” uma arma ao lado do corpo pra “justificar” a morte

Comentar
Compartilhar
13 ABR 201410h14

Ocupado pelas Forças Armadas há uma semana, o Complexo da Maré, na zona norte do Rio, registrou uma morte na sexta-feira. Segundo os militares, um traficante resistente à investida do Exército e da Marinha reagiu a uma abordagem e foi morto na favela Vila dos Pinheiros, uma das 15 do conjunto que estão ocupadas. Já os moradores afirmam que o rapaz era um funcionário de um lava-jato que foi confundido com um bandido.

Os moradores protestaram contra a ação. Fecharam a Linha Amarela por duas vezes. Sustentam que os militares “plantaram” uma arma ao lado do corpo pra “justificar” a morte e tentaram incendiar um banco de automóvel na via, mas foram coibidos pela Polícia Militar.

Na sexta-feira de manhã, um menor suspeito de atuar junto ao tráfico foi ferido na perna com um tiro de fuzil, disparado por militares da Força de Pacificação no Conjunto Esperança, outra comunidade da Maré. Segundo os militares, o menor atirou neles, que revidaram.

O corpo do morador foi coberto por uma lona e a rua foi fechada. Moradores afirmam que o homem era trabalhador e foi confundido com um bandido (Foto: Agência Brasil)