SABESP AGOSTO DESK TOPO
SABESP AGOSTO MOB

Suspeito de asfixiar mulher é preso após tentar beijar passageira de balsa à força

O suspeito foi preso no início da noite de quinta, em Ilhabela, após uma mulher dizer que ele tentou beijá-la a força

Comentar
Compartilhar
13 JUL 2020Por Da Reportagem13h20
Com o autônomo, a PM ainda encontrou um biquíni roxo, com estampas floridasFoto: Reprodução/TV Record

Um homem preso em flagrante na última quinta-feira (9) após ser acusado de importunar sexualmente uma mulher na balsa de Ilhabela é o principal suspeito de assassinar Julia Rozemberg, de 21 anos, em uma trilha entre as praias da Paúba e de Maresias, no litoral norte de São Paulo.

O suspeito, que se declarou autônomo, foi preso no início da noite de quinta, em Ilhabela, após uma mulher dizer que ele tentou beijá-la a força. A ação teria sido impedida pelo namorado da moça.

O casal procurou a Polícia Militar, descrevendo fisicamente o suspeito. Um PM mostrou uma foto em seu celular aos namorados, que reconheceram o homem. Logo depois, o suspeito foi localizado na avenida Princesa Isabel, onde foi detido e levado à delegacia de Ilhabela.

Em depoimento, segundo o jornal “Agora”, o PM que conduziu o suspeito afirmou ter abordado o autônomo na terça-feira (7), perto do local onde o corpo de Julia foi achado. Mesmo não encontrando nada que o incriminasse, o policial tirou uma foto dele.

Com o autônomo, a PM ainda encontrou um biquíni roxo, com estampas floridas. O seu celular passará por perícia. O suspeito foi indiciado em flagrante por importunação sexual, pelo fato de tentar beijar a jovem à força em Ilhabela. Segundo a "TV Record", o homem possivelmente sofre de esquizofrenia. 

A Polícia Civil de São Sebastião, onde o assassinato de Julia é investigado, solicitou a coleta de material genético do suspeito.

O CASO.
O corpo da jovem de 21 anos foi encontrado, na manhã da última segunda-feira (6), em uma trilha que liga os bairros Maresias e Paúba, na Costa Sul de São Sebastião, no litoral norte paulista.

Julia Rozenberg havia desaparecido na manhã de domingo (5) quando saiu para fazer uma caminhada pela trilha. Ela era de São Paulo, mas passava a quarentena junto com os pais que têm uma casa em Paúba.

Houve uma mobilização por parte do Corpo de Bombeiros, familiares e amigos que conheciam a jovem desde que era criança. Ela teria saído por volta das 6h57 e foi vista pela última vez às 8h24 com sinal do celular no centrinho de Maresias.

A Polícia Civil investiga o caso uma vez que ela foi encontrada amordaçada, asfixiada e enterrada no terreno que fica ao lado do reservatório da Sabesp próximo à rodovia Manoel Hyppolito do Rego (SP-55).

Para o investigador chefe do 2º DP, em Boiçucanga, Ricardo Marques, a suspeita é que o crime tenha sido cometido por alguém que conhece bem a região por ter ocorrido até mesmo em um local de fácil acesso.

Segundo familiares da vítima, ela costumava fazer o trajeto todos os dias e o caminho parecia tranquilo.