Seguindo rastreador, Polícia Civil prende, em PG, dono de bar que recebeu carga roubada

Mais de mil maços de cigarros de marcas diversas e simulacro de arma foram apreendidos no Jardim Imperador; um acusado pelo roubo foi preso na véspera

Comentar
Compartilhar
07 DEZ 2019Por Gilmar Alves Jr.10h52
Mais de mil maços de cigarros de marcas de diversas foram recuperadosFoto: Divulgação/Polícia Civil

Seguindo informações do rastreador de uma empresa de cigarros, a Polícia Civil recuperou nesta sexta-feira (6), em um bar em Praia Grande, uma carga de mais de mil maços que foi roubada, na véspera, de uma caminhonete de entregas em Itanhaém. O dono do bar, de 50 anos, foi preso em flagrante por receptação. Na data do assalto, os investigadores prenderam um acusado pelo roubo, de 21 anos, em Praia Grande. 

Assim que o assalto, cometido de manhã, foi comunicado na Delegacia de Investigações Gerais (DIG), a equipe da delegada Evelyn Gonzalez Gagliardi e do investigador-chefe, Mário Augusto, iniciaram diligências, que possibilitaram, por meio de imagens de monitoramento, chegar obter a placa de uma moto usada no delito. 

Os investigadores localizaram a proprietária da moto, em Praia Grande, e apuraram que ela havia emprestado o veículo ao rapaz de 21 anos. Quando ele foi devolver a moto, portando dez maços de cigarros roubados, além de dinheiro, foi abordado pelos policiais e confessou seu envolvimento no roubo. 

O crime, na manhã de quinta, ocorreu na Rua Almeida Júnior, no bairro Belas Artes, onde um funcionário que fazia entrega na caminhonete foi dominado por ao menos quatro bandidos e foi mantido sob ameaças dentro do veículo, com os retrovisores fechados, enquanto os bandidos subtraíam a carga. 

Após a prisão do acusado, policiais prosseguiram o trabalho de investigação com a análise do rastreador da empresa até chegarem, na manhã de sexta, a um bar na Rua Benedito Alves dos Santos, no Jardim Imperador, onde a carga havia sido receptada. 

Além dos mais de mil maços, os integrantes da DIG apreenderam no local um simulacro de arma de fogo e outras mercadorias de procedência suspeita, sem nota fiscal. 

O comerciante diz que recebeu a carga de cigarros de um rapaz que conhece de infância, que segundo ele, se comprometera a entregar nota fiscal. 

Apesar de negar ter conhecimento da procedência ilícita, ele foi autuado em flagrante por receptação qualificada, por ter como finalidade a revenda da carga roubada, e recolhido à cadeia. 

As investigações, coordenadas pelo delegado seccional de Itanhaém, Carlos Henrique Fogolin de Souza e pelo investigador Alexandre Ventura, prosseguem objetivando identificar os demais envolvidos no assalto.