Santos: Correios da ZN geram aglomeração em agência ao encerrar expediente

Indignada, moradora encaminhou fotos que mostram que funcionários da agência orientam clientes a entrar na unidade e gerar aglomeração para poder encerrar atividades

Comentar
Compartilhar
25 MAI 2020Por LG Rodrigues08h10
Nas imagens é possível ver que ao menos oito ou nove pessoas formavam uma fila dentro da agência enquanto aguardavam serem atendidasFoto: Diário do Litoral

Uma cena de irresponsabilidade foi flagrada por moradores da Zona Noroeste de Santos durante esta semana em uma agência dos Correios localizada no bairro Vila São Jorge. Segundo relatos, funcionários do local decidiram colocar várias pessoas que estavam na fila do lado de fora da agência aguardando para retirar encomendas para o seu interior com o objetivo de fechar a unidade e iniciar o encerramento das atividades devido ao horário. Em nota, os Correios afirmaram que irão apurar a ocorrência e ceder senhas para os clientes.

A ocorrência foi flagrada, inicialmente, durante sexta-feira (15), mas se repetiu durante alguns dias desta última semana. De acordo com moradores, algumas ruas da cidade são consideradas de alto risco pelas Agências dos Correios, o que obriga as pessoas a ter que quebrar o isolamento social para se dirigir até a unidade localizada na Avenida Nossa Senhora de Fátima para retirar suas encomendas.

“É um absurdo aliás porque a gente recebe recomendação pra ficar em casa, incentivam as compras de supermercado e refeições por delivery, mas aí vem uma empresa do próprio governo que nos obriga a sair de casa para buscar algo cujo frete já está pago”, afirma uma moradora que prefere não se identificar.

Devido às recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Governo do Estado, as pessoas devem manter um distanciamento de no mínimo dois metros de distância e por isso, apenas dois clientes tinham a entrada permitida por vez na agência, uma para retirar encomendas e outra para despachar pacotes.

Enquanto as duas pessoas são atendidas, o restante permanece do lado de fora, na calçada, formando uma fila que chega até a esquina da rua. O problema ocorre quando a fila ainda está longa e começa a se aproximar das 17h, horário em que a agência encerra suas atividades, mas devido ao fato de que a fila não pode ser controlada, uma vez que fica do lado de fora, isso não impede que outras pessoas continuem a chegar para serem atendidas. A solução encontrada pelo local foi colocar os clientes para dentro, o que cria uma aglomeração grande em um espaço pequeno.

 

“Eu mesma fui até lá e fiquei uma hora na fila, quando deu 16h50 eles mandaram a maior parte entrar e eu desisti de pegar minha encomenda porque isso é um absurdo. Estava todo mundo de máscara, mas ainda assim era um espaço muito pequeno para muita gente e foi aí que eu resolvi tirar fotos da situação lá dentro”, afirma a mesma moradora.

Nas imagens é possível ver que ao menos oito ou nove pessoas formavam uma fila dentro da agência enquanto aguardavam serem atendidas. Mesmo com essa decisão, a fila ainda se estendia para fora da agência. O Diário do Litoral decidiu ir até o local e confirmou que a situação se repetiu em outros dias.

A Reportagem questionou o setor de comunicação dos Correios em São Paulo, do interior e a equipe que cuida das relações públicas da instituição a nível nacional e foi informada que os Correios afirmam estar seguindo a determinação do Decreto nº 10.282/2020 da Presidência da República, que define os serviços postais como essenciais. Dessa forma, a rotina de entregas e atendimento nas agências estão ocorrendo, conforme as medidas de prevenção adotadas, para a proteção à saúde dos empregados, clientes e fornecedores. Entre as iniciativas, a nota descreve que destacam-se a distribuição de álcool em gel e máscaras laváveis para carteiros e atendentes, bem como a instalação de painéis transparentes de acrílicos nas agências.

Especificamente nesse período de pandemia, a instituição afirma que todas as agências têm controlado o fluxo de atendimento e organizado os clientes de acordo com a distância recomendada pelo Ministério da Saúde e reiteram que as postagens e todos os serviços e produtos estão disponíveis à população. Sobre a agência da Zona Noroeste, os Correios afirmam que há ainda os casos em que o endereço de destino encontra-se em áreas com restrições e, nessas situações, para garantir a entrega, a encomenda é redirecionada para retirada nesta unidade. A empresa afirma que fará a realização da distribuição de senhas para evitar aglomerações no interior da agência.