Roubos caem 21,11% em maio na Baixada santista e Vale do Ribeira

Foram 1.218 ocorrências no mês ante 1.544 no mesmo período de 2018

Comentar
Compartilhar
25 JUN 2019Por Gilmar Alves Jr.20h55
É o menor patamar de roubos para maio desde 2008Foto: Divulgação

Os casos de roubos na Baixada Santista e Vale do Ribeira apresentaram queda de 21,11% em maio deste ano na comparação com o mesmo mês de 2018, conforme estatísticas divulgadas nesta terça-feira (25) pela Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP). Foram 1.218 ocorrências ante 1.544. É o menor patamar para o maio desde 2008, quando foram registradas 1.135 ocorrências do gênero no mês.

Na soma dos casos de assalto nos cinco primeiros meses de 2019, a queda deste tipo de delito em relação ao mesmo período de 2018 é de 8,78%. São 6.439 casos ante 7.059.

As polícias Civil, Militar e Científica trabalham em conjunto para manter redução de roubos na Baixada e Vale, como em 2018, quando houve 15.542 registros, menor número desde 2008. Naquele ano, foram 12.574 casos.

Procurados pelo Diário, o diretor da Polícia Civil na Baixada Santista e Vale do Ribeira, delegado Manoel Gatto Neto, e o comandante regional da Polícia Militar, coronel Rogério Silva Pedro, comentaram os trabalhos em desenvolvimento para a redução de indicadores criminais em geral e ressaltaram a importância de os latrocínios (roubos seguidos de morte) não terem nenhuma ocorrência em maio de 2019.

"Esse resultado motiva os policiais, que sentem o resultado de seu esforço, assim como possibilitam que a população aumente a sensação de segurança", afirmou Gatto Neto.

O coronel Silva Pedro disse que zerar latrocínio é um resultado a ser comemorado.

"Nós tentamos diminuir todos os delitos, mas o policiamento acaba sendo focado, principalmente, para proteger a vida. Acho que o maior risco que as pessoas correm é durante um roubo. Nos trabalhamos muito para inibir as ocorrências de roubo e tentar chegar a cada vez a um número menor", declarou.

Ele ressaltou a importância de as vítimas ligarem para o 190 rapidamente e não adiarem a comunicação de crimes para que a mobilização de efetivo para locais de ocorrência seja mais eficiente.

O papel das testemunhas também foi destacado pelo coronel. "(A pessoa) consegue nos dar detalhes sobre os infratores porque não está sob pressão", disse.

Queda de homicídos

Os assassinatos, em maio, que totalizaram 10 ocorrências, recuaram 28,57% na comparação com o mesmo mês de 2018, quando houve 14.

"Os mesmos números foram registrados para o indicador de vítima deste crime, que contabilizou a menor quantidade da série histórica iniciada em 2001", informou a SSP.

"Com isso, as taxas de homicídios dolosos dos últimos 12 meses (de junho de 2018 a maio de 2019) ficaram em 7,02 ocorrências e 7,6 vítimas a cada 100 mil habitantes", disse a pasta.

O diretor regional da Polícia Civil atribuiu a redução de homicídios a fatores como policiamento ostensivo efetivo, as campanhas contra a violência doméstica, as operações policiais e a decretação de medidas protetivas em favor de vítimas.

Já o coronel Rogério Silva Pedro diz que com a chegada a um número mais baixo a tendência é de estabilidade. Entre fatores para redução, além do policiamento ostensivo e de investigação da Polícia Civil, ele cita os programas de Polícia Comunitária e Vizinhança Solidária para que tolerância e paciência sejam mais disseminadas.

Outros indicadores

Maio apresentou crescimento nos roubos de veículos e furtos em geral na Baixada e Vale. O primeiro delito teve um caso a mais registrado, passando de 154 para 155, enquanto o segundo cresceu 16% (de 2.156 para 2.502).

Os estupros caíram 7% no período, com 53 casos em maio deste ano, ante 57 no mesmo mês do ano passado.

Furtos de veículo caíram 24,4%, com 70 casos a menos. Foram registrados 217 ocorrências, contra 287 em igual período de 2019. O número é o menor desde 2001, conforme informou a Secretaria da Segurança Pública.

Colunas

Contraponto