Receita e PF evitam envio de 341 kg de cocaína à Bélgica

Neste ano, mais de 16,5 toneladas da droga foram apreendidas em operações no Porto de Santos, segundo a Receita

Comentar
Compartilhar
04 SET 2019Por Gilmar Alves Jr.19h35
A apreensão ocorreu no final da manhã desta quarta-feira (4) e contou com cães farejadoresFoto: Divulgação/Receita Federal

A Alfândega da Receita Federal e a Polícia Federal (PF) apreenderam no final da manhã desta quarta-feira (4) 341 quilos de cocaína em uma carga de mycelium (parte vegetativa de um fungo) no Porto de Santos. Ninguém foi preso e um inquérito da PF irá apurar quem são os responsáveis pela droga.

O contêiner onde a droga foi achada seguiria para o Porto de Antuérpia, na Bélgica, destino recorrente de remessas de cocaína via cais santista.

De acordo com a assessoria de comunicação da Receita Federal, a carga passou a ser alvo de suspeita através de critérios objetivos de análises de risco, incluindo a inspeção não intrusiva (raios-X).

"Durante a inspeção, houve indicação positiva dos cães de faro da Receita Federal para a presença de drogas, aumentando as suspeitas. No interior do contêiner, junto à porta, foram encontradas dez bolsas esportivas pretas contendo diversos tabletes, envoltos em plástico, totalizando 341 kg", informou a Receita.

Em função das características observadas na ação, suspeita-se ter ocorrido a técnica criminosa denominada "rip-off modality", em que a droga é inserida em uma carga lícita sem o conhecimento dos exportadores e importadores. Este modus operandi é adotado de forma recorrente nas tentativas de exportação de cocaína no Porto de Santos.

No último dia 26, 581 quilos de cocaína estavam prestes a serem exportados de Santos para o Porto de Antuérpia, com a suspeita do mesmo modus operandi, também foram apreendidos. Não houve prisões e as investigações deste caso prosseguem.

Recorde histórico

Em 2018, 23,1 toneladas de cocaína foram apreendidas no complexo, o que representou um recorde histórico. Em 2017, foram 11,5 toneladas recolhidas e, em 2016, 10,6 toneladas. 

Colunas

Contraponto