Rapaz é identificado por incitar vandalismo pelo aumento de tarifa em Guarujá

Em interrogatório, o jovem confessou o envio de mensagens, mas alegou ter feito “apenas uma brincadeira”

Comentar
Compartilhar
11 JAN 2021Por Gilmar Alves Jr.16h18
Uma das mensagens enviadas pelo rapaz e que servirá como prova do crimeFoto: Divulgação/Polícia Civil

Um rapaz de 25 anos foi identificado pela Polícia Civil como autor de uma incitação de invasão à garagem da City, que opera o transporte coletivo em Guarujá, para queima de ônibus, perfuração de pneus e causar “terror” em razão do aumento da tarifa, cujo reajuste começou a valer nesta segunda-feira (11). O ataque estaria previsto para a madrugada de domingo (10). A garagem fica na Alameda das Violetas, 700, no Jardim Primavera. 

“Diante do risco de os fatos se concretizarem, imediatamente a equipe da Delegacia de Guarujá iniciou investigações, efetuando junto à operadora de telefonia o levantamento dos dados cadastrais da linha telefônica do número investigado. Apurou-se que tal linha telefônica estava registrada em nome da companheira do investigado, morador do Jardim Conceiçãozinha. Em diligências, o autor foi localizado e o aparelho celular apreendido”, informou a assessoria de imprensa do Departamento de Polícia Judiciária do Interior-6 (Deinter-6).

Em interrogatório na Delegacia Sede de Guarujá, o jovem confessou ter enviado as mensagens, mas alegou ter feito “apenas uma brincadeira”.

Em uma das mensagens divulgadas pela polícia, ele diz: “10 pessoas, todas de preto e capuz, entrar na garagem da City à noite, furar todos os pneus (…) Tem cachorro lá, tenho remédios que fazem eles dormir, daí entramos e fazemos isso (…) Pela manhã a multidão na porta da garagem deles fazendo o protesto com os cartazes. Passagem a R$ 3 ou da próxima não será só os pneus”.

Garagem da City no Jardim das Primaveras (Foto: Divulgação/City Transportes)

Ele responderá por incitação ao crime, delito previsto no artigo 286 do Código Penal, com pena de detenção entre três a seis meses e multa.

“A autoridade policial representou por medida cautelar, visando que o autor seja judicialmente proibido de comparecer a qualquer manifestação nas sedes da referida empresa, evitando-se que incite a transformação de legítimos protestos em atentados à segurança do serviço público”, disse o Deinter-6.

City

Procurada pela Reportagem, a City informou que "em função das circunstâncias, foi comunicada à autoridade policial, que está tomando as medidas cabíveis".