X

Polícia

Promotoria vai apurar agressão da GCM a padre Julio Lancellotti

Câmeras de vigilância registraram a ação da guarda, que forçou a entrada no local. A Promotoria vai apurar se a guarda descumpriu decreto municipal que proíbe que objetos pessoais sejam apreendidos em ações de zeladoria

Folhapress

Publicado em 15/09/2018 às 14:05

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

O padre Julio Lancellotti foi agredido em ação da GCM. / Facebook/Padre Julio Lancellotti

O Ministério Público de São Paulo instaurou inquérito para investigar agressões feitas nesta sexta-feira (14) pela GCM (Guarda Civil Metropolitana) de São Paulo, sob gestão de Bruno Covas (PSDB), contra o padre Julio Lancellotti e moradores de rua na Mooca, na zona leste da capital paulista.

Segundo documento assinado pelos promotores Eduardo Valerio e Bruno Simonetti, a Promotoria apura se houve truculência na ação da GCM no centro comunitário na rua Siqueira Bueno.

O padre e dezenas de pessoas tentaram se abrigar no local após confronto entre a GCM e os moradores de rua. 

"Começaram [durante a zeladoria] a retirar coisas dos moradores de rua, inclusive materiais recicláveis, que eles vendem para poder sobreviver", afirmou o religioso.

Moradores de rua jogaram pedras contra os guardas, que revidaram com spray de pimenta, armas de choque e balas de borracha. "Me deram socos na barriga, empurraram com escudos, atiraram spray de pimenta no rosto, além de me chamarem de padre de merda", disse Lancellotti.

Câmeras de vigilância registraram a ação da guarda, que forçou a entrada no local. A Promotoria vai apurar se a guarda descumpriu decreto municipal que proíbe que objetos pessoais sejam apreendidos em ações de zeladoria, além da invasão truculenta de um equipamento da rede socioassistencial.

A GCM determinou a apuração "rigorosa" dos fatos. Afirmou que, durante o embate, um guarda levou uma pedrada na cabeça e outros dois se feriram levemente. Acrescentou que a determinação da prefeitura é a de que "não sejam retirados pertences de moradores em situação de rua".

"Lamentamos que a violência diariamente sofrida pelos moradores de rua se volte agora contra entidades e pessoas que tentam devolver o mínimo de dignidade a esses irmãos", afirmou a Arquidiocese de São Paulo.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Monja Coen traz palestra à Baixada Santista na Semana da Mulher

Missionária irá falar sobre inspiração de vida em evento realizado na Ilha Porchat, em São Vicente

MUAY THAI

Portuários Stadium abre temporada com 10 lutas e momentos épicos em SV

Com o Rocket Sea Club como local dos combates, o evento contou com 20 atletas oriundos de cinco estados

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter