Banner gripe

Professor acusado de armazenar pornografia infantil em Guarujá é solto após pagar fiança

Valor estipulado em audiência de custódia foi de R$ 10 mil

Comentar
Compartilhar
21 MAR 2019Por Gilmar Alves Jr.19h15
Equipamentos apreendidos na casa do professor, no Jardim Monteiro da CruzFoto: Divulgação/Polícia Civil

A Justiça soltou nesta quinta-feira (21), após audiência de custódia, o professor de língua portuguesa e inglês acusado de armazenar pornografia infantil em Guarujá.  Segundo a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), o valor estipulado foi de R$ 10 mil.

O TJ-SP não soube informar na noite desta quinta-feira (21) se foram impostas medidas cautelares.

Previsto no artigo 241-B do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o crime de armazenar pornografia infantil tem pena de um a quatro anos de reclusão e é afiançável. O professor seguirá respondendo criminalmente.

Docente da Escola Estadual Walter Scheppis, em Vicente de Carvalho, o homem foi preso em flagrante na manhã de quarta-feira (20). Ele foi abordado por policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos dentro da escola, no Pae Cará, no horário do intervalo.

Antes, os investigadores já tinham cumprido mandado de busca e apreensão na casa do professor, no Jardim Monteiro da Cruz, a poucas quadras da unidade de ensino, sendo recebidos pela avó dele.

Acompanhados de peritos do Instituto de Criminalística (IC), os policiais, sob o comando do delegado Luiz Ricardo de Lara Dias Júnior, titular da DIG, e do investigador-chefe, Paulo Carvalhal, apreenderam dois microcomputadores, um laptop, três HDs, três pendrives e o celular do acusado. Os arquivos contendo cenas de pedofilia estavam em um HD externo, segundo a polícia.

A perícia, segundo a polícia, continuará sendo realizada nos equipamentos apreendidos para que seja verificado se houve compartilhamento de arquivos contendo pornografia infantil.

Diretoria

A Secretaria de Estado da Educação afirmou que a Diretoria de Ensino de Santos está colaborando com a polícia nas investigações.

Colunas

Contraponto