Presidente da escola de samba Vila Mathias foge de ação da Deic, diz polícia

Deic apura uso da agremiação para armazenamento de drogas e armas; defesa do presidente, Vinicius Mendes, diz que ele não estava no local e que denúncia anônima foi feita em perseguição realizada por outras escolas de samba

Comentar
Compartilhar
21 OUT 2020Por Gilmar Alves Jr.20h04
Ação policial na escola de samba foi deflagrada na tarde de segunda-feira (19)Foto: Nair Bueno/Diário do Litoral

A 1ª Delegacia da Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic) regional realizou ação na na escola de samba Vila Mathias, na Rua Bras Cubas, em Santos, e como consequência da diligência, segundo a polícia, o presidente da agremiação, Vinicius Rafael do Nascimento Mendes, de 32 anos, decidiu fugir do local abandonando um veículo na tarde de segunda-feira (19). A delegacia especializada apura o uso da agremiação para armazenamento de drogas e armas do Primeiro Comando da Capital (PCC).

O advogado do presidente e da escola, Ulysses do Carmo Ferreira, afirma ao Diário do Litoral que Vinicius não estava no local e que ele e a escola vem sofrendo uma perseguição feita por outras escolas de samba. “O que ocorreu foi uma denúncia anônima que fizeram de forma indevida”, afirma.

“Essa perseguição vem até em virtude até para queimar a imagem da escola Vila Mathias. Eles vem sendo perseguidos por outras escolas de samba e não por algum fato criminoso. Essa história de facção criminosa isso não é existe. Isso é fantasioso. São pessoas idôneas que fazem parte da escola”, diz Ferreira.

Dentro de um contêiner utilizado como escritório da escola de samba os investigadores, sob o comando do delegado Luiz Ricardo de Lara Dias Júnior, titular da 1ª Delegacia, e do investigador-chefe, Paulo Carvalhal, apreenderam um revólver de calibre 38 com numeração raspada. O advogado diz que a arma pertence a um vigia.

Arma de fogo com numeração raspada e outros objetos apreendidos (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Um homem que estava com o presidente da escola no contêiner no momento da chegada dos policiais também correu, segundo a Deic, mas foi alcançado. Ele portava um cigarro de maconha. Posteriormente, os investigadores foram até a casa dele e apreenderam uma planta de maconha que ele cultivava.

Ao fugir, segundo a polícia, o presidente da escola de samba deixou um veículo alugado, um Jeep Compass, estacionado no pátio. Dentro do automóvel, os investigadores recolheram dois cartões bancários em nome do presidente, roupas, bonés e anotações relacionadas à escola.

Ferreira afirma que o carro foi alugado por um terceira pessoa, ficou na escola devido a uma festa no final de semana, e que Vinicius nunca fez uso desse carro. “Tenho declaração da pessoa que fez o aluguel na agência de carros”, diz.

A escola, cuja denominação oficial é Grêmio Recreativo Cultural Banda Carnavalesca Vila Mathias (GRCES), ficou em oitavo lugar no grupo especial do Carnaval deste ano. Devido ao resultado, foi rebaixada para o Grupo de Acesso em 2021.