Presidente da Câmara de Itanhaém diz que está sob ameaça de morte

O suspeito, Jadir Pereira, que é ex-presidiário, conhecido pelas alcunhas de Neno, Paco e Pato, foi detido pela Polícia em sua residência

Comentar
Compartilhar
20 JAN 201312h02

O presidente da Câmara de Itanhaém,José Renato Costa de Oliva (PSDB), esteve ontem na Delegacia de Investigações Gerais de Itanhaém (DIG) para prestar declarações e reconhecer um homem que supostamente seria contratado para matá-lo, no inquérito policial instaurado desde março quando registrou Boletim de Ocorrência de Ameaça.

O suspeito, Jadir Pereira, que é ex-presidiário, conhecido pelas alcunhas de Neno, Paco e Pato, foi detido pela Polícia em sua residência onde foi encontrado e apreendido um revólver de calibre 22 e munições de arma calibre 38, segundo disse José Renato ao DL.

Neno foi preso por porte ilegal de arma e como o revólver estava sem munição ele teve direito à fiança e foi liberado após o pagamento. Ao tomar conhecimento de que Neno teria sido procurado pelo ex-presidente da Câmara de Itanhaém, Valdir Gonçalves Mendes, o Valdir do Açougue (DEM), para matar um vereador que era seu desafeto político mediante o pagamento de R$ 15 mil, José Renato desconfiou que ele próprio era o alvo e registrou boletim de ocorrência de Ameaça, no dia 17 de março deste ano, temendo por sua vida e por sua família. 

José Renato deduziu que seria a vítima em potencial de seu antecessor devido às medidas que tomou no Legislativo quando assumiu a presidência. José Renato revogou as aposentadorias dos ex-presidentes da Câmara cujo benefício foi instituído por Valdir. Além disso, acionou o Ministério Público requerendo abertura de inquérito e pedido de cassação dos direitos políticos de Valdir do Açougue, acusando-o de improbidade administrativa. O MP instaurou ação civil pública por improbidade administrativa contra o ex-presidente do Legislativo Valdir Gonçalves Mendes.

De acordo com José Renato, que é advogado, a concessão de aposentadoria para os presidentes do Legislativo é inconstitucional e, portanto, ilegal. Além disso, determinou o afastamento da funcionária da Câmara Kátia Cristina do cargo de diretora do Legislativo.Kátia é esposa de Valdir do Açougue e o cargo que ocupava, que, segundo José Renato, “não existe como cargo de carreira”.

As alegações de José Renato constam do Termo de Declarações registrado na DIG de Itanhaém, ontem, onde também declara que suas medidas sejam o “real motivo de uma eventual vingança” por parte de Valdir do Açougue.

As suspeitas de que Neno receberia dinheiro para matar José Renato teriam sido confirmadas pelo acusado à polícia. Intimada a prestar esclarecimentos, a mulher de Neno, Maria Soares São Miguel, declarou ontem na DIG, que seu companheiro lhe disse que havia recebido a proposta de um serviço “em troca de um bom dinheiro” do ex-presidente da Câmara Valdir do Açougue, no bar Bodeguita, de propriedade de Valdir.

Neno, segundo José Renato, freqüentava o estabelecimento. Segundo a declaração de Maria, Neno teria recusado a proposta a pedido dela. Porém, Maria afirmou à polícia que nem ela, nem Neno, sabiam quem seria a vítima.

Segundo José Renato, com a citação do ex-presidente da Câmara na representação feita na DIG, Valdir Gonçalves Mendes, o Valdir do Açougue, deverá ser intimado pela polícia a prestar esclarecimentos. Nossa reportagem ligou para o celular de Valdir do Açougue, mas o homem que atendeu apenas disse que foi engano e que ele “não era o Valdir”.