Por buracos de ventilação de armazém, Deic descobre 52 quilos de cocaína em Guarujá

Um dos investigadores subiu em marquise, descobriu a droga e um chaveiro foi acionado

Comentar
Compartilhar
05 MAR 2021Por Gilmar Alves Jr.19h47
A cocaína pertence a organização criminosa ligada ao PCC, segundo as investigaçõesA cocaína pertence a organização criminosa ligada ao PCC, segundo as investigaçõesFoto: Divulgação/Polícia Civil

Por buracos de ventilação de um armazém na Vila Áurea, em Vicente de Carvalho, policiais da 1ª Delegacia da Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic) regional constataram que havia tijolos de cocaína no local e realizaram a apreensão de 52 quilos do tóxico na manhã de quinta-feira (4). Não havia ninguém no armazém, na Rua Altinópolis, e as investigações prosseguirão visando identificar e responsabilizar criminalmente os responsáveis pela droga.

As investigações já demonstram que o galpão era utilizado de maneira frequente por uma organização criminosa para posterior pulverização nas cidades da Baixada Santista.

Sob o comando do delegado Luiz Ricardo de Lara Dias Júnior, titular da delegacia, e do investigador-chefe, Paulo Carvalhal, os policiais conseguiram identificar exatamente onde ficava o galpão, próximo à Rodovia Cônego Domênico Rangoni e à comunidade Chaparral, e para lá se dirigiram por volta das 10h, realizando uma campana.

O investigador Paulo Álvaro Ribeiro, que tem vasta experiência no Departamento de Polícia Judiciária do Interior-6 (Deinter-6) no combate ao tráfico de drogas, subiu sobre uma marquise e pelos buracos de ventilação visualizou os tijolos da droga e os fotografou com seu celular.

Diante da certeza do armazenamento da droga no galpão, os investigadores acionaram um chaveiro, que abriu o portão de acesso do imóvel. Exatamente no cômodo visualizado os policiais civis recolheram 50 tabletes de cocaína, com peso total de 52,7 quilos.

No interior do armazém não foi localizado nenhum documento indicativo de posse ou propriedade.

Devido à quantidade de droga apreendida e pelo modo como estavam dispostas o delegado Lara registrou o caso já sob a natureza de tráfico de drogas e conduzirá o inquérito policial visando a responsabilização criminal das pessoas envolvidas.