X

Polícia

Policial é morto durante patrulhamento em morro de Santos

Segundo a PM, a equipe do Baep (Batalhão de Operações Especiais) realizava patrulhamento em um condomínio de apartamentos na rua João Carlos de Azevedo

PAULO EDUARDO DIAS - Folhapress

Publicado em 07/02/2024 às 17:29

Atualizado em 07/02/2024 às 18:24

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

A cidade está dentro da área de abrangência da Operação Escudo, ação coordenada pela SSP (Secretaria da Segurança Pública) para prender criminosos e asfixiar o tráfico de drogas na sequência de ataques contra policiais. / Reprodução

Um policial militar morreu e outro ficou ferido após serem baleados em Santos, no litoral paulista, na manhã desta quarta-feira (7). A cidade está dentro da área de abrangência da Operação Escudo, ação coordenada pela SSP (Secretaria da Segurança Pública) para prender criminosos e asfixiar o tráfico de drogas na sequência de ataques contra policiais.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Os policiais foram baleados no morro do Tetéu, por volta das 10h, segundo a PM. Eles foram socorridos e levados para unidades médicas e um deles não resistiu. O cabo José Silveira dos Santos pertencia ao efetivo do 2º Batalhão de Ações Especiais de Polícia.

O estado de saúde do outro PM não foi divulgado.

Segundo a PM, a equipe do Baep (Batalhão de Operações Especiais) realizava patrulhamento em um condomínio de apartamentos na rua João Carlos de Azevedo, com objetivo de averiguar denúncia de armazenamento de drogas e armas, quando os policiais foram atacados por criminosos. Ambos agentes chegaram a ser socorridos para a Santa Casa de Santos.

Na mesma troca de tiros um homem foi baleado e socorrido para um hospital da região.

A ocorrência se soma a uma série de atentados contra policiais militares desde o início do ano na Baixada Santista.
Somente entre o final de janeiro e início deste mês dois policiais foram mortos na região e um outro ficou ferido numa troca de tiros com criminosos durante a Operação Escudo.

Na noite de sexta-feira (2), o soldado da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) Samuel Wesley Cosmo, 35, morreu após ser baleado no rosto durante patrulhamento em uma favela de palafitas na periferia de Santos.

Depois da morte dele a Polícia Militar deu início a uma nova Operação Escudo naquele município. Sete pessoas foram mortas em supostos confrontos com policiais da Rota e do 3º Batalhão de Polícia de Choque, ambos com sede na capital.

Entre os mortos está o catador de lixo José Marcos Nunes da Silva, 45. Ele foi atingido por policiais militares no barraco onde morava havia cerca de dez anos na favela de Sambaiatuba, em São Vicente. Vizinhos contam que escutaram os gritos de Silva implorando pela vida momentos antes de ser alvejado.

Três filhas, o genro e a ex-mulher da Silva moram na mesma favela. Uma filha e a ex-mulher contam que ouviram disparos e foram avisados por vizinhos sobre os gritos de socorro, na madrugada de sábado (3).
Silva foi morto por policiais da Rota, mesmo batalhão do soldado Cosmo.

Segundo o relato da SSP sobre a ocorrência envolvendo o catador, policiais teriam dado ordem de parada a um suspeito, que teria fugido e disparado contra os agentes. A secretaria diz que foram encontradas porções de maconha, cocaína, crack, um frasco de lança-perfume, uma pistola 9 mm e um caderno de anotações.

Antes de Cosmo, bandidos mataram o soldado Marcelo Augusto da Silva. Ele foi abordado quando seguia com sua motocicleta pela rodovia dos Imigrantes, na altura de Cubatão. O PM retornava para casa após um dia de trabalho na Operação Verão.

Ao ser baleado, Silva estava em sua motocicleta e não vestia o uniforme da corporação.

DENÚNCIAS

A Defensoria Pública estadual anunciou nesta quarta ter aberto um canal para colher relatos de vítimas e testemunhas de violência policial nas cidades de Guarujá, Praia Grande, São Vicente e Santos em decorrência da Operação Escudo.

Segundo o órgão, o atendimento será prestado enquanto perdurar a ação, de segunda a sexta, nas unidades locais da defensoria através do Núcleo Especializado de Cidadania e Direitos Humanos (NCDH).

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Ideia

Construtor sugere fundação nos moldes da Pinacoteca para 'novo' Escolástica Rosa

"Se formarmos um grupo e esse grupo for inteligente, envolve toda a sociedade no projeto"

Apoio

Em Santos, construção civil quer ajudar na restauração da Escolástica Rosa

O complexo ocupa 17 mil metros quadrados e tem oito prédios, mas este patrimônio histórico inaugurado em 1908 agoniza

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter