Polícia identifica quatro suspeitos de matar vereador no ABC

De acordo com os investigadores, o assassinato do político foi um latrocínio (roubo seguido de morte). Dois jovens foram presos e dois menores, apreendidos

Comentar
Compartilhar
17 MAR 201514h35

A Polícia Civil disse ter esclarecido as circunstâncias da morte do vereador de Santo André Cosmo Rodrigues Cardoso (PDT), de 46 anos. De acordo com os investigadores, o assassinato do político foi um latrocínio (roubo seguido de morte). Dois jovens foram presos e dois menores, apreendidos, entre eles um que assumiu a autoria do disparo.

A investigação foi conduzida pelo 6º DP de Santo André, sob o comando do delegado Adilson de Lima. O primeiro suspeito foi apreendido ainda na quarta-feira, 11, três dias após o registro da morte de Cardoso em sua residência. Na quinta, 12, e na sexta 13, outros envolvidos foram encontrados. Todos os suspeitos são jovens entre 17 e 19 anos de idade.

A polícia informou que o grupo armado invadiu a casa da vítima, rendendo a esposa e os três filhos do vereador no último dia 9. Os suspeitos pediram por dinheiro e agrediram Cardoso com coronhadas. Um deles atirou nas costas do político, que ainda foi socorrido, mas não resistiu as ferimentos.

O grupo fugiu do local levando pertences da vítima. E depoimento à polícia, o adolescente autor do disparo relatou que buscava por R$ 200 mil que supostamente o vereador guardava em sua casa. A posse do valor teria sido mencionada no bairro e seria destinado a reforma de um posto de saúde. O dinheiro, no entanto não estava na residência, esclareceu os investigadores.

A Polícia Civil tem como hipótese até o momento a versão de que o disparo do adolescente foi acidental. Na semana passada, o delegado Adilson de Lima disse que a descrição do acidente por parte do autor do tiro é plausível. Todos irão responder por latrocínio.