Polícia encaminha imagens de acidente no Boqueirão para o Instituto de Criminalística

O delegado Alexandre Aranha, titular do 7º Distrito Policial de Santos, informou que cinco testemunhas já foram ouvidas no inquérito. Assista ao vídeo

Comentar
Compartilhar
23 MAI 2016Por Gilmar Alves Jr.22h14
Batida ocorreu na noite do último dia 15 na esquina das ruas Alexandre Herculano e Armando Salles de OliveiraBatida ocorreu na noite do último dia 15 na esquina das ruas Alexandre Herculano e Armando Salles de OliveiraFoto: Reprodução

Imagens colhidas pela Polícia Civil sobre o acidente que resultou na morte da farmacêutica Maira Cegatti Bosetto Mota, de 39 anos, no Boqueirão, em Santos, foram encaminhadas nesta segunda-feira (23) para o Instituto de Criminalística (IC), da Polícia Científica. “Um dos objetivos, a meu ver muito importante, é a gente aferir as velocidades dos veículos no momento da colisão”, afirmou ao Diário do Litoral o delegado Alexandre Aranha, titular do 7º Distrito Policial (Gonzaga).

A batida ocorreu na noite do último dia 15 na esquina das ruas Alexandre Herculano e Armando Salles de Oliveira. A farmacêutica dirigia um Palio prata pela Armando Salles e, assim que chegou ao cruzamento,  teve o carro atingido por uma caminhonete Mitsubishi  Triton marrom, conduzida por um autônomo de 32 anos, acompanhado da mulher, uma médica de 35, pela via preferencial.

“O que a gente tem são as imagens. Grosso modo parece que a caminhonete estava correndo, pelo impacto e pelos danos causados. Mas só um parecer técnico pode ser considerado para a gente avaliar como proceder essa investigação”, afirmou Aranha.

Segundo o delegado, cinco testemunhas já foram ouvidas no inquérito. “Vamos colher mais provas para chegar a uma conclusão final.”

Sinalização

Na quadra por onde o motorista da caminhonete seguia antes da batida há uma placa de limite de 30 km/h e sinalização no asfalto para trafegar devagar devido a escolas. A investigação avança para indicar a conduta adotada pelo motorista em todo o trecho percorrido pela Alexandre Herculano.

Via por onde o motorista da caminhonete Mitsubishi vinha tem placa e sinalização no asfalto para limite de 30 km/h devido a escolas (Foto: Matheus Tagé/DL)