Polícia Civil apreende 92 kg de maconha em Guarujá e prende dupla

O flagrante foi resultado de uma investigação ao longo de dias por meio de campanas no Jardim Progresso, em Vicente de Carvalho

Comentar
Compartilhar
01 JUN 2020Por Gilmar Alves Jr.17h18
Os indícios são de que a droga era distribuída para pontos de tráfico da Baixada SantistaFoto: Divulgação/Polícia Civil

Uma investigação da Polícia Civil com realização de campanas resultou, na noite do último sábado (30), na apreensão de 92 quilos de maconha e na prisão, em flagrante, de um homem de 30 anos, conhecido como Marrentinho, e uma mulher de 43 no Jardim Progresso, em Vicente de Carvalho. A maior parte da droga, 88,6 kg, foi recolhida em uma casa na Rua José de Brito, que era usada como depósito do entorpecente. 

Os indícios são de que a droga armazenada no local era distribuída para vários pontos de tráfico na Baixada Santista. Logo após a abordagem de Marrentinho e da mulher, que chegaram em um carro Polo, os policiais da 2ª Delegacia da Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic) regional abordaram um homem que chegou ao local e confessou que pegaria um carregamento de maconha para levar a Cubatão, mediante recebimento de R$ 500,00. Já os dois detidos em flagrante nada quiseram declarar. 

Marrentinho e a mulher foram surpreendidos pelos policiais logo após desembarcarem do Polo, por volta das 19h. Marrentinho, com um molho de chaves, iria abrir a casa usada como depósito de drogas, enquanto a acusada carregava 3,3 quilos de maconha na bolsa. 

Durante a vistoria na casa, que tinha pouca mobília dentro e aparentava ser destinada somente para a guarda de tóxicos, os policiais civis, sob o comando do delegado titular, Rubens Eduardo Barazal Teixeira, e do investigador-chefe, Luiz Fonseca, localizaram 76 tijolos de maconha, totalizando 88,6 quilos, além de balança de precisão e rolos plásticos usados para embalar a maconha. 

Marrentinho e a mulher foram autuados por tráfico de drogas, associação ao tráfico e por manter objetos destinados à fabricação de entorpecentes. O homem que admitiu que compraria a droga foi relacionado como investigado e sua conduta no esquema criminoso continuará sendo objeto de apuração.