Paralisação atinge Fundações Casa em pelo menos 20 cidades de SP

Os funcionários da unidade de Piracicaba reclamaram do excesso de lotação - onde caberiam 50 internos, havia quase 70

Comentar
Compartilhar
08 MAI 201516h58

Em pelo menos 20 cidades do interior e litoral de São Paulo eram registradas adesões à greve dos funcionários da Fundação Casa, no início da tarde desta sexta-feira, 08. Em algumas localidades houve manifestações incluindo o bloqueio de rodovias. Os grevistas apresentaram ao Governo do Estado uma lista com 64 reivindicações, entre elas aumento salarial de 28,16%, auxílio-maternidade de seis meses e melhores condições de trabalho.

Em Franca, cerca de 60 funcionários, segundo a Polícia Militar, fizeram uma carreata pelas ruas da cidade. A mobilização foi encerrada em frente à unidade. Os manifestantes usaram nariz de palhaço e fizeram um apitaço, bloqueando parcialmente a via. Em Marília, apesar da adesão dos trabalhadores, os serviços essenciais, como cozinha, lavanderia e atendimento de saúde, estavam funcionando.

Houve manifestações também em Bauru, com faixas colocadas em frente à unidade. A administração local informou que a adesão era baixa e todos os serviços estavam normais. Havia adesões ainda nas unidades de Lins, Botucatu, Ribeirão Preto e Sertãozinho.

Os funcionários da unidade de Piracicaba reclamaram do excesso de lotação - onde caberiam 50 internos, havia quase 70.

Em São Carlos, houve protesto contra a qualidade da água, que estaria contaminada. De acordo com grevistas, as unidades ficam em locais sem segurança. Faixas e cartazes foram colocadas à frente das unidades de São José do Rio Preto e Araçatuba, com adesões parciais.

No Vale do Paraíba, cinco unidades aderiram à greve. Em São José dos Campos, cerca de 40 funcionários fizeram um protesto, bloqueando a Rodovia dos Tamoios por cerca de uma hora, na quinta-feira, 7. No litoral norte, funcionários cruzaram os braços em Caraguatatuba.

O Sindicato dos Trabalhadores em Entidades de Assistência e Educação à Criança, ao Adolescente e à Família do Estado de São Paulo (Sitraemfa) informou ter havido adesões em 90% das mais de cem unidades do interior.

Conciliação. A Fundação Casa informou que o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 2a. Região marcou uma audiência de conciliação na próxima segunda-feira, 11, às 9 horas, entre o Governo de São Paulo e o sindicato. O objetivo é chegar a um acordo para o fim da greve.

Segundo a Fundação, o atendimento aos adolescentes nos 148 centros socioeducativos se mantém sem prejuízo das atividades, já que o TRT determinou que seja mantido efetivo de 70% dos funcionários em atividade, sob pena de multa diária de R$ 100 mil. No final de semana, a visitação dos familiares será normal.