Operação em Guarujá resulta em cinco prisões

GCM agiu em conjunto com as polícias Civil, Militar e ao menos outros quatro órgãos para realizar apreensões em ferros-velhos

Comentar
Compartilhar
09 AGO 2019Por LG Rodrigues15h51
Agentes da GCM atuaram com polícias durante apreensões em ferros-velhos de GuarujáFoto: Hygor Abreu/Prefeitura de Guarujá

Uma operação envolvendo a Guarda Civil Municipal de Guarujá e agentes da Delegacia de Investigações Gerais da Polícia Civil (DIG), além da Polícia Militar, Fiscalização de Comércio e representantes de concessionárias de energia, telefonia e abastecimento de água resultou na interdição de ferros-velhos e na apreensão de cinco pessoas na quarta-feira (7).

De acordo com informações divulgadas pela prefeitura de Guarujá, a ação envolveu ao menos 30 agentes da Guarda Municipal e tinha como intenção atuar contra crimes ocorridos nos últimos meses como a receptação de fios de cobre e outros cabos utilizados por empresas de serviço em diversos bairros de Guarujá.

 As equipes fiscalizaram um total de oito ferros-velhos localizados nos bairros do Perequê e Enseada. De todos os estabelecimentos abordados, apenas um possuía alvará de funcionamento, os outros sete, que não tinham a documentação necessária, foram interditados pela prefeitura. Além disso, em dois dos ferros-velhos foi detectado que estava ocorrendo furto de energia elétrica.

Técnicos de operadoras de telefonia também prestaram auxílio à operação efetuando a identificação de todos os materiais apreendidos. Nos armazenamentos, as autoridades encontraram um total de 130 metros de fibra ótica, oito modens ADSL, um aparelho de ar condicionado novo, 12 munições de calibre 38 e uma arma calibre 12.

Boa parte do material apreendido pelas autoridades estava escondido em áreas de difícil acesso ou nos fundos dos armazéns dos ferros-velhos, o que obrigou as autoridades a arrombar portas em alguns locais e estourar cadeados utilizando ferramentas das polícias. Em outros estabelecimentos, os itens obtidos de forma ilegal estavam camuflados em meio à sucata e diversos materiais.

Durante as abordagens, cinco pessoas foram detidas e encaminhadas para a Delegacia de Investigações Gerais de Santos, onde foi lavrado um auto de prisão em flagrante por receptação.

De acordo com Liliana Santos, que é investigadora da DIG de Santos, as operações são uma das poucas maneiras de se coibir os crimes primários, que são cometidos muitas vezes porque os criminosos têm conhecimento que os ferros-velhos irão comprar o material que é roubado ou furtado nas ruas para revendê-lo posteriormente.

Já o diretor da Guarda Municipal de Guarujá, Carlos Mariano, afirma que as operações deverão continuar a ser realizadas, mas em outras regiões do município. A intenção é a mesma já afirmada por Liliana que será a de evitar mais prejuízos aos cofres públicos e transtornos para a população da cidade.

Colunas

Contraponto