Operação da PF contra pedofilia prendeu quatro pessoas da mesma família em PG

Cinco crianças, com idades entre 4 e 11 anos, foram estupradas por um dos suspeitos, apontado pela Polícia Federal como líder do grupo

Comentar
Compartilhar
22 MAR 2017Por Gilmar Alves Jr.19h04
Os delegado Valdemar Latance Neto e Júlio César Baida Filho concederam entrevista coletiva na tarde de desta quarta-feira (22)Os delegado Valdemar Latance Neto e Júlio César Baida Filho concederam entrevista coletiva na tarde de desta quarta-feira (22)Foto: Matheus Tagé/DL

Dois homens e duas mulheres de uma mesma família foram presos preventivamente na manhã desta quarta-feira (22), em Praia Grande, em uma operação da Polícia Federal de combate a estupro de crianças e exposição das imagens das vítimas na internet.  Cinco crianças, com idades entre 4 e 11 anos, que eram próximas dos acusados, foram identificadas na operação, denominada Resgate.

Em entrevista coletiva na Delegacia de Polícia Federal de Santos, os delegados Júlio César Baida Filho, chefe da unidade, e Valdemar Latance Neto, que coordenou os trabalhos, informaram que entre os presos está o homem apontado como líder do grupo e autor dos estupros.  Ele tem 42 anos.

A investigação foi iniciada em janeiro, após a descoberta de imagens em um site internacional. “Analisando as imagens foi possível visualizar que aparentavam ter sido produzidas aqui no Brasil. E sempre nós tomados os cuidados de analisar esses arquivos com uma visão de que ali há uma vítima de abuso sexual. Não se trata de apenas um arquivo de computador”, assinalou Latance Neto.

Segundo o delegado, o líder do grupo encaminhou esse material  para as outras três pessoas investigadas, o que indica que elas também sabiam o que acontecia com essas crianças, que são muito próximas. Para preservar a identidade das vítimas, não foram divulgadas informações sobre as profissões das pessoas presas e endereços.

“(Sobre) os demais, portanto, já temos indícios que cometiam o crime de posse de material de pornografia infantil e apuraremos a participação deles nos estupros dessas crianças”, afirmou Latance Neto.

Tanto o líder do grupo como uma das mulheres presas na operação foram flagrados portando imagens material com pornografia infantil em suas casas, sendo autuados em flagrante.

O envolvimento das duas mulheres nesse tipo de crime chamou atenção dos policiais federais. Sobre a mulher autuada em flagrante, de 56 anos, Latance Neto considerou a situação peculiar. “Particularmente eu nunca tinha visto uma mulher ser presa em flagrante com esse tipo de material”.

Os pais das vítimas, conforme o delegado, reagiram com surpresa aos fatos revelados pela operação e estão colaborando com a investigação.

Intercâmbio

Conforme apontou a investigação da PF, as imagens não eram comercializadas e faziam parte de um intercâmbio entre pessoas que visualizam esse tipo de pornografia.

“Essas imagens que ele mesmo (líder) produzia, inéditas, nesse mercado ilícito absurdo tem muito valor. Acredito que é por isso que ele produzia, publicava nesse site como forma de encontrar pessoas que quisessem intercambiar com ele arquivos contendo abuso sexual de crianças”, disse o delegado que coordenou a ação.

Investigação prossegue

Os trabalhos da Resgate prosseguem objetivando identificar mais duas crianças que também aparecem nas imagens e outras eventuais vítimas, além de delimitar de forma detalhada a conduta criminosa de cada um dos capturados.