Operação contra tráfico e exploração sexual de crianças tem prisões na Baixada

Balanço com todos os detalhes será divulgado em entrevista coletiva

Comentar
Compartilhar
25 NOV 2020Por Da Reportagem15h28
Um dos símbolos adotados pela operaçãoFoto: Reprodução

*Com informações da Folhapress

Uma força-tarefa da Polícia Federal e da Polícia Civil de São Paulo deflagrou na manhã desta quarta (25) a Operação Black Dolphin, com 219 mandados de busca e apreensão em investigação de envolvidos com tráfico e exploração sexual de crianças e adolescentes.

Pela Baixada Santista, até o momento, foram feitas prisões de suspeitos nas cidades de Santos, São Vicente, Praia Grande e Guarujá, segundo o Departamento de Polícia Judiciária do Interior-6 (Deinter-6).

"As informações sobre essas investigações, assim como, as prisões e apreensões dos produtos ilícitos serão fornecidas hoje (à tarde) na coletiva de imprensa com os responsáveis pelas investigações de casos de pedofilia na Região do Deinter-6", informou na manhã de hoje o departamento.

Mais de 1.100 agentes estão envolvidos na operação que faz buscas em 85 cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Há ainda dois mandados de prisão, um em São José do Rio Preto, interior de São Paulo, e em uma cidade gaúcha.

A investigação teve início em 2018, quando a Polícia Civil de São Paulo prendeu um homem que pretendia vender a sobrinha para criminosos russos. Ele planejava levar a menina à Disney e alegar que ela teria desaparecido no parque.

A partir desse caso a polícia iniciou investigação de uma organização criminosa, que atua na deep web, e produz, vende e compartilha imagens de abuso sexual infantil.

Os agentes fizeram infiltrações em mais de 20 comunidades da deep web e encontraram mais de 10.000 contas de e-mails atuando nas ações criminosas.

Em 2019, a polícia localizou o usuário que consideram ser o provável chefe da organização criminosa. Nas conversas interceptadas, ele dizia que estavam "protegidos pelo anonimato" e que as "leis brasileiras são ridículas". O criminoso disse ainda que não havia prisão no Brasil para segurá-los.

O usuário dizia ainda que só poderiam ser detidos na "Black Dolphin", prisão russa na fronteira com o Cazaquistão.

Neste ano, o homem que usava esse usuário na internet foi identificado pela polícia. O local onde ele mora não foi informado, apenas que ele tem residência no Brasil.

O Ministério da Justiça mantem o Laboratório de Inteligência e Operações Cibernéticas para coletar dados na deep web que podem ajudar a identificar autores, armazenadores e consumidores de conteúdo pornográfico infantil. Segundo os responsáveis, uma das maiores dificuldades é a ausência de um perfil entre os criminosos.

Quem é pego armazenando conteúdo pode responder pelo crime em liberdade e a pena vai de um a quatro anos. A condenação fica mais dura para quem compartilha: além de inafiançável, a pessoa pode pegar de três a seis anos de prisão. Se o criminoso comercializa o conteúdo, o tempo de reclusão sobe para quatro a oito anos.

Identificar o predador, ou seja, quem produz esse tipo de conteúdo, é uma das partes fundamentais do trabalho, porque encontrá-lo significa localizar e resgatar crianças e adolescentes em situações de exploração sexual.