MP denuncia família Brittes, 'ficante' de jogador e mais três em 'caso Daniel'

A novidade foi a denúncia também de Evellyn Brisola Perusso, 19 anos, que ficou com a vítima, na festa de 18 anos de Allana, antes do crime

Comentar
Compartilhar
27 NOV 2018Por Folhapress22h20
Além da família Brittes, mais quatro pessoas foram denunciadas por envolvimento no crimeAlém da família Brittes, mais quatro pessoas foram denunciadas por envolvimento no crimeFoto: Reprodução

O promotor João Milton Salles, responsável pelo caso Daniel, denunciou sete pessoas nesta terça (27) à Justiça pelo assassinato do jogador. Além da família Brittes, mais quatro pessoas foram denunciadas por envolvimento no crime.

A novidade foi a denúncia também de Evellyn Brisola Perusso, 19 anos, que ficou com a vítima, na festa de 18 anos de Allana, antes do crime. Evellyn responderá por "denunciação caluniosa". Ela não será presa.

"Houve uma tentativa de se imputar crimes a terceiros, que sabidamente não participaram. Foi uma tentativa de atrapalhar a investigação. Aí culminou no crime de falso testemunho", disse o promotor João Milton Salles sobre Evellyn. "Quando ouvida, trouxe à cena do crime o Eduardo Purkote. Na conclusão do inquérito e após a minha análise, chegou-se a conclusão que ele não participou", explicou.

"Ela não pode ser presa, a pena aplicada a esse crime é relativamente baixa. o crime é de denunciação caluniosa, e o meio utilizado para isso foi um falso testemunho", completou.

Evellyn foi a testemunha do caso que indicou que o gêmeo Eduardo Purkote teria dado a faca do crime a Edison Brittes Júnior, que confessou o assassinato. Além disso, segundo ela, Purkote agrediu o jogador e quebrou o celular de Daniel. O gêmeo foi solto na última segunda (26) e não foi denunciado por nenhum crime.

Edison Brittes Júnior, Ygor King, David Vollero e Eduardo Henrique da Silva, que estavam no Veloster preto e levaram o jogador para a morte foram denunciados por homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, ocultação de cadáver e fraude processual.

Cristiana Brittes foi denunciada por homicídio qualificado por motivo torpe. Allana Brittes foi denunciada por fraude processual e coação de testemunha.

Prova Pericial

Segundo o promotor, as provas periciais confirmam que mais de uma pessoa atuou de forma determinante na morte de Daniel. "A conclusão foi confirmada pela prova pericial, a perícia é uma prova importantíssima. Ela aponta que esse rapaz, pra ser executado da forma como foi, somente com a atuação de mais de uma pessoa! Outro fator importante que a perícia aponta é que este carro só tem três portas, o Veloster não é um carro 4 portas, e tinha marcas de sangue em todas as portas".

Cristiana Brittes

A Cristiana Brittes, denunciada por fraude processual, coação de testemunho e homicídio, de "não querer mais sangue em sua casa" contribuiu para a tragédia, segundo promotor. "O que aparece ali nas investigações e no inquérito é que em determinado momento, quando surgiu a situação de espancamento, a reação dela foi consciente, ela se levantou e acompanhou. E o que aparece nos depoimentos foi que ela aderiu ao comportamento do Edison e dos rapazes, e depois aparece ela, através de relatos, determinou que se acabasse o crime fora da casa. A morte do Daniel não teria ocorrido se não fosse essa instigação", comentou João Milton Salles.

"Não houve tentativa de estupro"

João Milton Salles afastou de vez a hipótese da defesa de Edison Brittes Júnior de que Cristiana sofreu uma tentativa de estupro por parte de Daniel. "Absolutamente rechaço isso, quererem imputar a esse rapaz o crime de estupro".

"A motivação dele estar no quarto é muito difícil dizer, porque isso só conversando com quem participa desse tipo de festa. É muito difícil você explicar", ressaltou.