Motorista baleado em roubo na Anchieta, em Cubatão, morre com suspeita de Covid-19

Declaração de óbito aponta causa indeterminada e família espera aprofundamento das apurações

Comentar
Compartilhar
15 SET 2020Por Gilmar Alves Jr.18h45
Valdeci da Mota Soares, de 59 anos, foi baleado no abdômen ao dizer que estava sem celular a bandidoFoto: Arquivo Pessoal

O motorista de caminhão Valdeci da Mota Soares, de 59 anos, baleado no último dia 3 em uma tentativa de roubo na Via Anchieta, em Cubatão, morreu no início da madrugada desta segunda-feira (14) no Hospital Municipal da Cidade. O tiro, no abdômen, rompeu parte do intestino e atingiu um rim da vítima, que necessitou de transfusões de sangue. Além do quadro causado pelo ferimento pelo projétil, a vítima foi diagnosticada com suspeita de Covid-19 durante o período da internação.

A declaração de óbito do Instituto Médico-Legal (IML) aponta causa indeterminada e a família espera aprofundamento das apurações tanto para o que causou a morte como para a identificação e prisão do autor do crime. “A gente vai esperar esse resultado, ir adiante e saber o motivo. Ter uma causa indeterminada é complicado”, disse ao Diário do Litoral Mayara de Moraes Soares, de 29 anos, filha de Valdeci.

O sepultamento do motorista ocorreu às 15h desta terça-feira (15) no Cemitério da Areia Branca. Morador da Zona Noroeste de Santos, ele deixou quatro filhos e dois netos.

Procurado pela Reportagem, o Hospital Municipal de Cubatão disse não ter autorização para emitir posicionamento sobre o caso.

O crime ocorreu na altura do km 56, no Jardim 31 de Março, por volta das 2h10 do dia 3, quando Valdeci seguia com direção a Minas Gerais a trabalho. A vítima disse à PM, enquanto era socorrida na ambulância, que estava com o caminhão parado no acostamento quando foi alvo do criminoso.

O motorista relatou que ouviu um ruído no veículo, um Mercedes-Benz LS1634, e desembarcou para ver o que era. Logo ao sair, se deparou com o ladrão armado, que exigiu a entrega de celular. Valdeci disse que não portava o aparelho e foi baleado na sequência.

Conforme a descrição feita pela vítima, o criminoso é magro, pardo e tem estatura mediana. Mayara quer constatar se alguma câmera captou imagens que possam auxiliar a polícia a identificar e prender o criminoso.

Segundo ela, o pai que costumava trabalhar como motorista de caminhão autônomo havia sido contratado por uma empresa havia um mês. “Estava registrado e feliz”, disse à Reportagem.

Como hobbies, ela conta que o pai gostava de ficar com os amigos e com a família em casa. “Gostava muito de cozinhar e fazer churrasco”, diz.

Denúncias que ajudem a Polícia Civil a identificar e prender o criminoso podem ser transmitidas pelos telefones 197 ou 181. Não é necessário se identificar.