Laboratório de drogas é estourado em Praia Grande

Ação da Polícia Civil de Santos apreendeu 27 quilos de drogas, que estão avaliadas em mais de R$ 400 mil. Policiais também recolheram 97 cartuchos de munições, entre eles 70 de fuzil 7.62 mm

Comentar
Compartilhar
23 JAN 201411h15

Uma casa de veraneio situada no Balneário Maracanã, em Praia Grande, era utilizada pelo Primeiro Comando da Capital (PCC) para preparo e distribuição de entorpecentes. O responsável pela residência é um servente, de 28 anos, apontado como liderança do PCC na Zona Leste de São Paulo, que conseguiu fugir.

No imóvel, situado na Rua Tereza de Jesus Monteiro Corralo, policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos apreenderam dentro de um carro 25 quilos de cocaína, dois quilos de maconha e 97 munições, entre elas 70 de fuzil 7.62mm, de uso exclusivo das Forças Armadas. Os entorpecentes e as munições estavam armazenados em um veículo. Também foram recolhidos 190 quilos de pó branco - utilizado para mistura de cocaína -, balanças de precisão, diversos sacos plásticos - para o embalo de tóxicos - e liquidificadores.

O carregamento está avaliado em mais de R$ 400 mil, segundo o chefe dos investigadores da DIG, Marcelo Canuto, responsável pelos trabalhos de investigação que culminaram na apreensão.

Ainda durante a vistoria no imóvel, os policiais recolheram uma reportagem que retravava a prisão de membros de PCC na Baixada Santista.

Entorpecentes recolhidos seriam distribuídos na Zona Leste de São Paulo (Foto Divulgação)

Campana

Uma denúncia anônima transmitida à DIG, que indicou a utilização do imóvel por traficantes, levou os investigadores a montarem uma campana no final da tarde de terça-feira, na Rua Arthur Marques dos Santos. Durante o monitoramento, os investigadores avistaram o servente saindo da residência denunciada. O integrante do PCC foi observado entrando em um carro e seguindo para um imóvel usado como laboratório na Rua Tereza de Jesus Monteiro Corralo, onde entrou. Ao perceber a presença dos policiais, o servente fugiu no carro, deixando o imóvel com a porta aberta. Na vistoria todo o material ilícito foi encontrado escondido em um carro importado.

Drogas para macaco

Durante a apreensão, os investigadores da DIG encontraram um tablet utilizado pelo servente. Nele, consta um vídeo no qual o acusado fuma maconha e joga a fumaça para um macaco de estimação. Ainda na filmagem, o servente entrega o cigarro de maconha para o animal consumir.